Início » Teologia » O Direito de Primogenitura

O Direito de Primogenitura

Por Gospel Prime


Nem todos os filhos têm a visão do pai, assim também é em relação aos filhos de Deus. Nem todos os filhos de Deus têm recebido da Sua visão. Muitas devem ser as razões, mas talvez a principal delas esteja relacionada à obra pela qual cada um tenha sido chamado e escolhido.

Muitos jovens estudantes têm me perguntado se deveriam ou não interromper os estudos para fazerem a obra de Deus no altar. Eu lhes tenho feito conhecerem o meu testemunho e a minha experiência pessoal com Deus e deixado que cada um responda a si mesmo. A verdade é que a chamada e a escolha de Deus envolvem a fé pessoal. E a resposta de cada um identifica o tamanho da obra reservada para si.

Os casos de Jacó e Esaú refletem muito bem o de muitos jovens envolvidos na igreja hoje. Por ser o primogênito, Esaú tinha não só o direito e o dever de substituir seu pai Isaque na condução de sua família, mas, sobretudo, como o próximo patriarca, que era um tipo de apóstolo na construção de uma nação santa, já que ele era a autoridade máxima de Deus na terra. Seu nome seria um referencial do Deus Único e Verdadeiro e estaria no nível de seus pais Abraão e Isaque.

A referência ao Deus de Israel deveria ser ao Deus de Esaú. Mas, por causa de um prato de lentilhas, ele entrou para a história da fé cristã como um derrotado. Apesar de, com lágrimas, ter tentado recuperar a bênção que, por direito, lhe seria, mesmo assim era tarde demais. A razão de seu fracasso se deve exclusivamente ao desprezo da parte espiritual que lhe cabia.

Seus olhos físicos o levaram a fazer a má escolha e isso refletiu em toda a sua vida. Diz o texto sagrado:

“Tinha Jacó feito um cozinhado, quando, esmorecido, veio do campo Esaú e lhe disse: Peço-te que me deixes comer um pouco desse cozinhado vermelho, pois estou esmorecido… Disse Jacó: Vende-me primeiro o teu direito de primogenitura. Ele respondeu: Estou a ponto de morrer; de que me aproveitará o direito de primogenitura? Então, disse Jacó: Jura-me primeiro. Ele jurou e vendeu o seu direito de primogenitura a Jacó. Deu, pois, Jacó a Esaú pão e o cozinhado de lentilhas; ele comeu e bebeu, levantou-se e saiu. Assim, desprezou Esaú o seu direito de primogenitura.” (Gênesis 25.29-34).

Esaú é um tipo das pessoas nascidas da carne, gente que por não ser espiritual não tem discernimento espiritual. Esaú contava com sua força física e coragem para enfrentar qualquer situação difícil, inclusive os animais ferozes. De fato, ele contava mesmo era com sua capacidade física e não espiritual, razão pela qual desprezou a primogenitura.

“Estou a ponto de morrer; de que me aproveitará o direito de primogenitura?” Quer dizer: ele perdeu a coisa mais importante da vida por ser um homem carnal e não saber discernir o tesouro escondido por trás daquele direito. Esta é a grande desvantagem do nascido da carne! É por isso que temos insistido no novo nascimento. O nascido da carne é carnal; e por não ser espiritual, não pode entender as coisas de Deus. Para eles, o que importa é o imediatismo, a visão dos olhos físicos e não dos olhos espirituais. Mas os olhos físicos veem apenas a matéria e nada além dela. Enquanto isso, os nascidos do Espírito, que são espirituais, têm olhos para enxergar muito além das coisas físicas.

Estas não têm visão e nem conseguem perceber o resultado final de uma escolha ruim. É o caso do mundo, onde as pessoas colhem frutos ruins da má escolha feita. E a má escolha se deve ao fato do desprezo aos conselhos de Deus.

Embora estivesse desesperadamente faminto, mas não a ponto de morrer, seu pai era muito rico e jamais iria permitir deixar seu filho predileto morrer de fome. Mas o maior problema de Esaú foi o desprezo pelo dom de Deus, ou seja: a bênção da primogenitura!
Este direito havia sido dado pelo próprio Deus, pois apesar de ser irmão gêmeo de Jacó, ele nasceu primeiro. Portanto, o direito era apenas dele.

É o caso de muitos jovens cristãos universitários, que um dia foram chamados e escolhidos para serem pescadores de almas, mas, movidos pela fome do sucesso econômico e a glória deste mundo, acabaram desprezando o privilégio de serem servos de Deus para tornarem-se servos de si mesmos.

Deus os abençoe abundantemente,

Bispo Edir Macedo

* As opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores
e não refletem, necessariamente, a opinião do Gospel Prime.


Leia mais...

Discernindo os “tempos e os ventos”

Discernindo os “tempos e os ventos”

O que fazer ao descobrir que um ladrão se passou por...

O que fazer ao descobrir que um ladrão se passou por...

Resposta ao Julio Severo

Resposta ao Julio Severo

Você acredita na igreja?

Você acredita na igreja?


Comentários