Em 8 de dezembro, exatamente 100 anos atrás, esta profecia se cumpria em Jerusalém

Ministério judeu messiânico chama atenção para eventos que completam um século esta semana


Em dezembro, 100 anos atrás, esta profecia se cumpria em Jerusalém

Jerusalém, dezembro de 1917. A atmosfera era de comemoração dos judeus ao verem o general britânico Edmund Allenby desmontar de seu cavalo, com humildade, tirar o chapéu com reverência e adentrar a Cidade Velha de Jerusalém através do Portão de Jaffa, que não era aberto havia muitos anos. Acabavam os 973 anos de governo muçulmano sobre a capital de Israel, fundada pelo rei Davi.

As imagens icônicas da época mostram o povo judeu o acolhendo como se ele fosse algum tipo de messias, e a Terra Santa nunca mais voltou a ser a mesma. Com o passar do tempo, o envolvimento da Grã-Bretanha nem sempre seria positivo, mas a história está prestes a se repetir na data em que a libertação de Jerusalém completa um século.

Foram cerca de 1500 anos debaixo de governo islâmico, excetuando o período que foi tomada pelos cruzados (1099-1187). Os conquistadores se alternaram até que o Império Turco Otomano passou a governar Jerusalém, em 1517. Foi uma sucessão pacífica, pondo fim ao domínio dos mamelucos islâmicos (1260-1517).

Foram 400 anos exatamente. Na Bíblia, 400 anos parecem ser uma referência à espada, escravidão e opressão do povo, afinal foram quatro séculos de escravidão no Egito e 400 anos entre o fim do Antigo Testamento e o início do Novo.

Durante os 400 anos de domínio otomano, a construção de igrejas e sinagogas foi proibida, os sinos das igrejas eram proibidos, os não-muçulmanos (dhimmis) não tinham direitos iguais. Eles eram cidadãos de segunda classe e tinham que pagar o imposto adicional “jizya”, previsto na lei islâmica.

Ademais, em 1915 foi dada uma ordem para se livrarem de todo cristão no Império Otomano. O genocídio armênio incluiu não só os armênios, mas também os católicos e os cristãos ortodoxos gregos. Um milhão e meio foram assassinados e muitos mais sofreram horrivelmente antes de fugir.

O momento anunciado e a estratégia de Isaías 31

Enquanto a Turquia se aliou com a Alemanha na Primeira Guerra Mundial, os britânicos combateram o Império Otomano, que dominava grande parte do Oriente Médio. Com a assinatura do Tratado de Sèvres, em 1920, 40 novos países foram estabelecidos nos antigos territórios do Império Otomano.

O general Allenby foi encarregado de libertar Jerusalém e havia manifestado a preocupação de seus superiores quanto à magnitude e sensibilidade da tarefa. Ele havia recebido ordens para tomar a cidade sem atirar contra a cidade e seus habitantes. [1] Como fazer isso? Segundo os registros de sua biografia ele orou. O que talvez não pareça ser muito para os historiadores, mostram que ele tinha uma devotada fé cristã e acreditava nas profecias bíblicas.

O general britânico conhecia o trabalho do Dr. H. Aldersmith, um erudito bíblico especializado em profecias sobre Israel. Aldersmith explicou em seu livro de 1898, “Plenitude das Nações”, por que acreditava que Jerusalém seria entregue à Grã-Bretanha em 1917. [2] Ele ficou convencido a partir da leitura de Isaías 31: 4-5 que o Reino Unido teria um importante papel a desempenhar na restauração de Jerusalém, e isso seria realizado por algum tipo de máquina voadora. [3] Aldersmith registou essa ideia, é importante ressaltar, antes do avião ser inventado,  em 1906. Na primeira guerra mundial, (1914-1918) os primeiros aviões foram usados com uso militar.

A convicção do estudioso sobre Isaías 31 serviu de inspiração de Allenby. Há registros que o general usou aviões para sobrevoar Jerusalém, e jogou folhetos escritos em árabe com a mensagem: “Entreguem a cidade! Allenby. ”

Curiosamente, havia um ditado árabe popular na época, que dizia: “Os turcos não sairão de Jerusalém até que o rio Nilo flua na Palestina e o profeta os expulse da cidade”. Vários  eventos conspiraram para que essas duas coisas altamente improváveis ​​de fato ocorressem.

As tropas britânicas estavam estacionadas no Egito nos anos anteriores a esses eventos, e o tenente-general Sir Archibald Murray obteve autorização para construir um oleoduto para bombear água fresca do Nilo e uma ferrovia para abastecer suas tropas. Em 1917, a água chegou, junto com as tropas, até à região onde Allenby estava. O rio Nilo estava, estranhamente, fluindo sobre a Palestina. Esse era o nome dado pelo imperador romano Adriano no ano 131 d.C, quando decidiu eliminar vínculo milenar do povo judeu com a região. Ele escolheu o nome “Palestina”, terra dos filisteus em latim, e mudou o nome de Jerusalém para “Aélia Capitolina” [Capital do Sol].

Em segundo lugar, os panfletos de Allenby quando lidos em árabe soavam como: “Entregue-se à cidade! Allah en Nebi”, que significa “O Profeta de Deus” [4]. Muitos dos turcos alegadamente foram embora da cidade depois que os misteriosos objetos voadores enviaram sobre eles mensagens de “Allah en Nebi “.

O fato é que durante toda a  noite de 8 de dezembro de 1917, todas as tropas turcas saíram de Jerusalém. No início da manhã seguinte, Allenby deu início à tomada de Jerusalém, sem o uso de força ostensiva. Quando ele entrou, o prefeito de Jerusalém com uma pequena comitiva portando uma bandeira branca lhe entregou as “chaves da cidade”. A rendição formal foi aceita pelo general O’Shea, em nome do comandante em chefe das tropas britânicas, tendo ele participado da rendição oficial dois dias depois. Jerusalém foi entregue e nenhum tiro foi disparado. Ainda segundo registros históricos, havia uma frase escrita nos aviões utilizados na operação de Allenby para a conquista de Jerusalém. Era uma citação do Alcorão, que dizia: “Eu abri minhas asas, cumprindo minha promessa” [5]. Ela foi sugerida pelo emir da Transjordânia, local onde ficava a base aérea britânica e pode ser visto no emblema do 14º Esquadrão da Força Aérea Real.

O General Allenby aceitou oficialmente a rendição na Torre de Davi, junto ao Portão de Jaffa, e a proclamação foi lida em sete línguas, anunciando que as pessoas que podiam continuar com suas rotinas e que todos os seus lugares sagrados seriam respeitados.

No dia 24 do mês judeu de Kislev

O que há de tão especial no 24º do mês de Kislev? Para encontrar a resposta, precisamos voltar muitas centenas de anos, até o profeta Ageu. Kislev é o nono mês do calendário judaico, que por ser lunar, varia a cada ano sua data de início e fim em comparação com o calendário Ocidental, que é solar. Ele cai entre novembro e dezembro.

No segundo capítulo do Livro de Ageu, vemos o profeta ministrando durante a construção do segundo templo. Ele destaca essa data três vezes.  Preste atenção especial aos versículos 10, 18 e 20. O contexto do capítulo é o templo, a santidade e a impureza, além das bênçãos para o povo. Deus nos lembra de seu poder sobre todas as nações e sua total soberania. “Derrubarei tronos e destruirei o poder dos reinos estrangeiros”, diz o versículo 22.

O Senhor fala de bênçãos e aponta para essa data específica, o 24º dia do sétimo mês (Kislev). “De hoje em diante, abençoarei vocês”, escreveu Ageu (2:19).

A ideia do Deus de Israel desde o seu trono derrubando “tronos” humanos está ligada a este  mesmo período no calendário estabelecido para seu povo. É uma coincidência que Allenby atravesse esse portão no dia 24 de Kislev, sinalizando o fim do domínio muçulmano sobre Jerusalém?

Além de Ageu, Daniel 12:12 também profetizou que haveria bênção para Jerusalém após “1335 dias”. Um dos oficiais britânicos ficou impressionado em perceber que 1917 correspondia ao ano islâmico de 1335, já que o calendário muçulmano começou em 622 [ver nota 2]. Estudiosos famosos da profecia, como o Dr. H. Aldersmith, já haviam juntado as peças e esperavam redenção e bênção para Jerusalém em 1917. No dia 8 de dezembro, o ano islâmico já era 1336. Os 1335 anos – que para muitos é sempre um dia profético – acabaram.

“Bem-aventurado”, escreve Daniel, “o que espera e chega até mil trezentos e trinta e cinco dias”. Após 1335 anos de islamismo, a cidade de Jerusalém foi entregue pelos britânicos usando aviões que “pairavam como pássaros” no dia 24 de Kislev, 1917. Isso não é tudo. Membro da Igreja anglicana, Allenby seguia o Livro de Oração Comum, que traz leituras sugeridas para os fiéis a cada dia. Em 8 de dezembro de 1917, a leitura incluía a passagem de Isaías 31:5 “Como as aves dão proteção aos filhotes com suas asas, o Senhor dos Exércitos protegerá Jerusalém; ele a protegerá e a livrará; ele a poupará e a salvará”.

NOTAS

[1] W. T. Massey, em seu livro “How Jerusalem Was Won?” [Como Jerusalém foi conquistada?] registra as instruções do general Allenby ao general Sir Philip Chetwode, em 26 de novembro de 1917: “Não coloco nenhuma restrição sobre você em relação a qualquer operação que considere necessária contra Lifta [aldeia ao lado de Jerusalém], ou as linhas do inimigo ao sul, exceto que, de modo algum traga risco para a cidade de Jerusalém ou seus arredores imediatos dentro da área de operações”.

[2] Com base em Daniel 12: 7,11 – Começando com a ascensão do Islã (622 d.C.) e usando a medida do ano lunar, o resultado completo foi o seguinte: v.7: tempo, tempos e meio (ou seja, 1260 dias) = 1844 d.C., v.11: 1290 dias = 1873 d.C, v.12: 1335 dias = 1917 d.C.

[3] O livro de Lord Wavell, ‘The Palestine Campaigns’ (Londres: Constable, 1928)

[4] Outros livros registram “Al Nabi”, o que significria somente “o profeta”. Vide I.B.Tauris, Palestine and Egypt Under the Ottomans: Paintings, Books, Photographs, Maps and Manuscripts Hisham Khatib

[5] Disponível em https://www.raf.mod.uk/organisation/14squadron.cfm

Traduzido e adaptado do Ministério Judeu Messiânico One for Israel



Jarbas Aragão

Jarbas Aragão

Jarbas Aragão é professor de inglês e tradutor. Quando não está cuidado dos filhos lê, vê filme e séries. Formado em teologia, acredita que cristão precisa usar discernimento pra ver o mundo.


Deixe seu comentário!