3 princípios que todo líder de jovem deveria seguir

Não deixe seu ministério virar um fardo!


3 princípios que todo líder de jovem deveria seguir

Muitos ministérios com jovens estão indo aos trancos e barrancos, pois falta experiência dos líderes, e experiência é algo que quando adquirimos com nossas próprias mãos (o que acaba valendo muito) pode ser tarde.

Pois, pode ser que já não tenha o mesmo pique que tinha quando iniciou e talvez nem seja mais líder do ministério de jovens, talvez já esteja em outra atividade na igreja.

Sendo assim, bom é saber de outras pessoas que já passaram pelo que você está passando, e eu quero humildemente nas linhas que se seguem pedir pra você permitir que eu seja essa pessoa.

Vou deixar aqui 3 princípios de liderança de jovens, alguns (como disse acima) mau tive tempo de aplicar, pois quando foram revelados a mim eu já estava em outros barcos e em novos oceanos, outros eu colhi o resultado esperado.

Crie sua identidade

Seu ministério o qual inclui: encontros e eventos tem que se parecer com algo, não dá pra cada encontro ser diferente do outro em tudo, você precisa dar uma cara pro negócio, isso é importante para as pessoas saberem o que esperar quando elas forem, não dá pra cada encontro ser um “kinder ovo” (caixinha de surpresa).

Talvez você diga, “mas jovem não gosta de tudo igual” verdade, você pode mudar algumas coisas, mas os princípios, as bases devem seguir o mesmo padrão.

Por exemplo; se todo encontro você tem um palestrante diferente isso não é bom, pois você não vai conseguir ter uma identidade e nem as pessoas vão te ver como líder.

As vezes gostamos de dar oportunidades para pessoas, oportunidade de pregarem, cantarem, dirigirem o culto, mas isso não pode virar uma rotina em seus encontros, pois senão você não terá uma identidade, tem um dito popular que minha sogra usa constantemente que se aplica muito aqui “O dono do boi que segure ele pelo chifre”.

Não cobre de si mesmo

Faça as pazes com você

Não exija muito de você, ou melhor não exija nada de você, faça aquilo que tem forças para fazer e não se preocupe com o trabalho restante.

Os jovens já exigem de você, a igreja já exige de você, talvez seu pastor já exige de você; de forma que se você ficar se cobrando, vai ficar louco e o ministério se tornará um peso. Se tem uma coisa que você deve tomar cuidado para que não aconteça é isso, deixar o ministério se torna um piano pesado em suas costas, isso vai tirar o prazer de servir, isso vai te levar a um ativismo.

Não podemos servir para corresponder às expectativas dos servidos, temos de servir por amor ao que fazemos, tão somente. Não pense que se você dar todo seu sangue para fazer tudo pelos jovens de sua igreja, Deus vai está no céu dizendo “Esse sofre pelo meu nome !”, esquece isso, sofrer por Cristo é alegria de mártires, é impossível sofrer por Cristo em quatro paredes (igreja).

Então seja comprometido com seus deveres, mas não deixe sua vida de lado, sua namorada (o), muito menos sua família. Todas as coisas têm seu tempo determinado, vai ter hora no ministério que a melhor coisa a fazer vai ser não fazer nada, “ir pescar”.

Nem todos são jovens

Você precisa saber quem são as pessoas que quer congregar ao seu lado, pois se seu ministério é com jovem lembre-se que nos dias de hoje nós temos a famosa “geração canguru”; são pessoas adultas de quase quarenta anos, mas que ainda se sentem jovem e nada tira da cabeça delas que ser jovem é uma questão de espírito (Lembrei da música do chaves “Se você é jovem ainda, jovem será” MENTIRA).

E qual o problema disso? Alguns. Quero te dizer que esse tipo de pessoa, se não te ajudar, vai ser um estorvo em seu ministério.

Pois eles não tem de fato o perfil de um jovem como os demais, ou seja, quando você mais precisar deles, eles vão te deixar na mão, pois o estilo de vida deles é outro, muitos são casados com filhos e carregam toda a responsabilidade que uma vida adulta tem, dessa forma vão só fazer volume em seus encontros, não serão útil para arregaçar as mangas e enfrentar com você o “leão nosso de cada dia”.

Dessa forma, não adianta dizer que tem 20 jovens em seu ministério se 4 deles são da “geração canguru”, de fato você só tem 16 jovens e é com esse que você pode contar, ou outros deviam estar ao seu lado para te ajudar e não nas fileiras dos liderados.

Observem quem são os jovens mais insatisfeitos de seu ministério, quem são os mais críticos, e os mais faltantes, os que mais apresentam suas desculpas, e pesquise o perfil da “geração canguru” e qual quer semelhança nos resultados não vai ser mera coincidência.

Deus te abençoe.



Alan César Corrêa

Alan César Corrêa

Casado, pai do Nicholas e Ana Julia, reside em São Bernardo do Campo -São Paulo.
Bacharel em teologia, pós graduado em Religião e Cultura, pastor na Igreja UrbaNova, escreveu o livro: “Dissidentes da Igreja” pela Editora Reflexão e “Em Estado de Graça” pela editora Garimpo.
E-mail: [email protected]


Deixe seu comentário!