MENU

A boa convivência começa pela conversa não ofensiva

Se você não expressar o bem em seu modo de falar com sua esposa ou o dela com você, o mal vai continuar imperando.


A boa convivência começa pela conversa não ofensiva

Não saber a diferença entre conversa franca e ofensiva tem sido o “pecado” cometido por considerável parcela de casais cristãos. A diferença consiste no fato de que a conversa franca é sadia e a conversa ofensiva, não.

Todo casal sabe como agradar e desagradar em ações e, sobretudo no modo de falar, entre si. A quantidade de palavras usadas para ter uma conversa franca pode ser a mesma usada para se ter uma conversa ofensiva, a diferença consiste no que resulta de ambas.

Leia mais

A cada conversa ofensiva o casal dinamita as bases – um no coração do outro – que sustentam a relação. As falas que conotam desprezo, desrespeito, insatisfação e ironia vão traçando, dia após dia, o fim trágico de uma relação que começou bonita, cheia de amor e com boas expectativas.

Antes de manter uma conversa, ambos precisam pensar sempre no fato de que tanto quem fala quanto quem houve, tomou a decisão de abrir mão de milhares de outras opções de pessoas com quem se relacionar para gastar tempo de vida na relação na qual está. Viver mantendo conversas ofensivas é uma falta de respeito para com o outro, em primeiro lugar, mas também para consigo, pois você estará contribuindo para que o ambiente da relação se torne ainda mais hostil.

Se o que tem resultado das conversas em sua relação são mágoas, desprezo, afastamento e insatisfação, está na hora de passar a fazer uso estratégico das palavras. Raiva despejada em cima do outro só vai servir para gerar mais raiva.

Em Romanos 12.21 o Apostolo Paulo disse que só há uma maneira de vencer o mal: “Não te deixes vencer pelo mal, porém, persiste em vencer o mal com o bem”. Se você não expressar o bem em seu modo de falar com sua esposa ou o dela com você, o mal vai continuar imperando.



Jornalista e acadêmico dos cursos de História e de Teologia.

Assuntos:


Deixe sua opinião!

Mais notícias