MENU

Amor: um ídolo pós-cristão

C.S. Lewis: "Deus é amor, mas o amor não é Deus"


Michael Curry
Amor: um ídolo pós-cristão

É possível você ouvir um bom sermão sobre o amor e ainda assim se afastar bastante do conhecimento de Deus. Você pode ouvir belas palavras, bem conectadas com este tempo, mas que não te levarão à fé cristã. E pensar que este dia iria chegar: o dia em que Deus e o amor se tornariam dois entes distintos no coração humano.

C.S. Lewis escreveu algo do gênero: “Deus é amor, mas o amor não é Deus”. Em outras palavras, Deus emana amor, e o amor só pode ser manifesto por meio da instrumentalidade divina. Se Deus não for a ‘mola-mestra’ do amor, tal amor é um ídolo, uma expressão do coração caído que odeia a cruz de Cristo bem como a revelação da graça no evangelho.

Li um artigo fantástico do pastor Thiago Guerra¹, onde ele abordou o sermão pregado pelo Reverendo Michael Curry (EUA) no casamento do ano – do príncipe Harry com a atriz Meghan Markle. Seu texto trata com brilhantismo esta questão do amor na pós-modernidade que é avidamente dissociado da pessoa de Deus. Ele disse:

“Ele pregou com uma boa retórica, abordou um tema da Sagrada Escritura, mas não o definiu nem o defendeu biblicamente, muito menos o conectou com o nosso salvador Jesus Cristo! Mesmo citando o “amor” 55 vezes no seu sermão, ele simplesmente perdeu a enorme possibilidade de proclamar o evangelho – a notícia em que o Deus que é amor sacrifica seu único Filho por pecadores, sim pecadores! Esta é a demonstração e afirmação bíblica do amor de Deus por nós:

“Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores”. (Romanos 5:8).

Na teologia progressista encontramos o amor como um tipo de substituto vicário de Cristo. É como se o amor tivesse sofrido e não um homem justo – o Deus encarnado, o Santo de Deus. Me parece que a dificuldade de alguns em atribuir a violência da crucificação como o meio determinado eternamente pelo Criador de garantir no espaço temporal/histórico a redenção do ser humano que é pecador (sim, pecador!) e, portanto, caiu espiritualmente se dá pelo fato de que não confiam na Escritura ao ponto de negar seus próprios sentimentos quanto ao ideal de amor, como se a mente deles fosse mais sábia que a mente d’Aquele que inspirou o texto sagrado.

Ninguém melhor do que o Espírito Santo pode revelar ao mundo o amor verdadeiro. E este é o amor verdadeiro: que Deus se fez homem em Jesus e, mesmo sem cometido nenhum pecado, morreu carregando sobre si o pecado dos homens, a fim de lhes conceder sua justiça e a vida eterna unicamente por sua maravilhosa graça.

Quando a gente abandona a perspectiva da cruz de Cristo, o que resta é falácia ecumênica. E quando a gente rejeita a mensagem do Cristo crucificado para tão somente anunciar um amor autônomo, que é um produto do coração “emancipado” de um ser humano ignorante à Deus e sua Palavra, só pode nos sobrar idolatria, egocentrismo e perversão do verdadeiro evangelho.

Precisamos de um cuidado especial quando ouvimos pregações eloquentes que citam a palavra amor 55 vezes e a palavra Cristo apenas uma ou duas vezes. Talvez eles não estejam falando de amor. Talvez estejam falando apenas de si mesmos, quando poderiam falar do verdadeiro Deus, aquele que de fato é amor – e que de fato pode revelar a este mundo o verdadeiro amor.

¹ Link do texto do pastor Thiago Guerra: http://voltemosaoevangelho.com/blog/2018/05/o-que-ha-de-errado-com-michael-curry/



32 anos, é casado com Ana Talita, bacharelando em Teologia pela Unigranrio e colunista no site Gospel Prime. É pregador do evangelho, palestrante para família e casais, compositor, escritor, músico, trabalha no ministério de adolescentes da Igreja Batista Betânia e no ministério paraeclesiástico e missionário chamado Entre Jovens. Recentemente publicou um livro intitulado “Aos maridos: princípios do casamento para quem deseja ouvir”.

Assuntos:


Deixe sua opinião!

Mais notícias