Deus fez homens e mulheres com igual dignidade e liberdade

Igualdade no sentido de dignidade, não uma utopia que rugem por aí.


Deus fez homens e mulheres com igual dignidade e liberdade

Existe um grupo de profissionais e líderes da igreja evangélica na Espanha que recentemente refletiu sobre a igualdade na sociedade a partir de uma perspectiva bíblica.

Levando em consideração a maldição de Gênesis 3.16, o grupo diz que “em um mundo redimido por Cristo temos que lutar para erradicar os pecados que não pertencem ao mundo projetado por Deus, mas são consequência da queda”.

E continuam explicando que a violência contra a mulher é a ponta do iceberg de um problema mais profundo. Do ponto de vista bíblico, “a separação entre o homem e Deus trouxe separação com os outros seres humanos, o que leva ao ódio e a violência”.


  Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora!


O grupo acredita que Deus criou homens e mulheres igualmente, ambos foram feitos a imagem de Deus, mas sabe-se que existem diferenças físicas e hormonais. Essas diferenças nunca são uma desculpa para promover preconceitos contra as mulheres. A Bíblia condena a desigualdade e a violência contra as mulheres e informa-nos que homens e mulheres foram feitos por Deus com igual dignidade, liberdade e capacidade intelectual. Afirmam que parece ser claro nos Evangelhos que Jesus veio para restaurar as estruturas criativas e dignificar a mulher.

Para eles, na Igreja local as mulheres devem ser capazes de desenvolver seus dons e capacidade para responder a missão (Mateus 28.19).

Defendem que mulheres casadas não são mais valiosas do que mulheres solteiras, lembrado que as famílias são uma “fundação” da sociedade, mas os cristãos solteiros são tão fundamentais na construção da sociedade se optarem por servir enquanto permanecem solteiros.

Essas idéias fazem parte de um documento maior chamado “Teses do Projeto 95”, que sugere novas teses protestantes para o século XXI na Espanha.

Conclusão:

Quando se fala de igualdade de mulheres a sociedade já grita. Tem aqueles retrógrados que já acham que falar disso é uma cooperação para o movimento feminista e etc., mas também existe o extremo feminista que dizem por exemplo: “Mulheres são minoria nos cursos de engenharia!”, grupo tão louco que quer até escolher a profissão para você que é mulher.

No meio cristão é quase a mesma coisa, refletimos a sociedade (infelizmente!). Tem gente retrógrada demais que não quer deixar a mulher falar no culto, cooperar com a Igreja e a enxerga como a escrava do ministério do marido. O contrário é bem difícil de se ver no meio evangélico, um feminismo ministerial ecoa, mas de longe por enquanto. O pouco que se tem é pela influência do radicalismo feminista da sociedade que engoda no meio cristão.

Por isso, não é pecado falar de igualdade no que diz respeito a mulher. E estou falando dessa igualdade no sentido de dignidade, não uma utopia que rugem por aí.

É válido lembrar isso quando se existe de fato sistemas opressores e, infelizmente ainda existem igrejas assim. Mas, tendo o evangelho de verdade implantado no coração, o assunto sempre é “dignidade do outro” e não “dignidade da mulher”… Porque com o Evangelho em nós percebe-se que não existe diferença entre um e outro e ambos estão aptos para servir o mesmo reino.

Informações: Evangelical Focus



Victor Santos

Victor Santos

Victor dos Santos, mora em Santo André-SP. Blogueiro (Vida ao Inverso). Bacharel em Teologia pela Universidade da Bíblia, graduado em Logística pela Uniban e estudante da PUC SP.


Deixe seu comentário!