MENU

O fiel soldado de Cristo

Uma guerra militada só com palavras é uma batalha perdida por falta de ação, mas a luta encarada com fidelidade...


Uma guerra militada só com palavras é uma batalha perdida por falta de ação, mas a luta encarada com fidelidade garante o exito da missão.

Isso é melhor ilustrado por meio de um ocorrido, durante a guerra da independência Norte Americana, onde um rapaz que se aproximou do general George Washington lhe disse: “Meu general, quero que saibas que creio de todo coração em ti e na causa que defendes”. Washington agradeceu firmemente aquelas palavras e lhe perguntou: “Em que regimento está servindo meu jovem?”. O jovem meu sem graça disse:”Eu não estou no exército, senhor, sou um civil”. Ao que o general replicou: “Se você realmente crê em mim, como diz, e também na causa que defendo, una-se ao exército imediatamente, pegue uma farda e suas armas, e venha para a luta”.

Esse jovem apoiava a guerra com palavras e por isso foi desafiado a lutar com ações. Assim também é o crente, pois quando aceitamos a convocação de nosso general Jesus Cristo demonstramos fidelidade lutamos com ele até a morte.

Paulo foi um bom exemplo disso e por conta de sua experiência deixou três conselhos em 2 Timóteo 2.3 e 4, a fim de nos ensinar como seguir a Jesus Cristo em fidelidade.

O Soldado Fiel sofre com Cristo 

“Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo”

Sabemos que quando um soldado é convocado a servir o seu exercito, ele deve estar preparado para ir para uma guerra se preciso for. Preparado para passar todo o tipo de provação, dificuldade e inclusive estar pronta para não voltar mais.

Este soldado pode ser enviado a terras hostis que não terão misericórdia alguma deste soldado, pois podemos dizer que durante uma guerra não existem leis humanitárias. Sendo assim, o fiel soldado de Cristo deve estar sempre pronto e preparado até para morrer por Cristo.

O ex-padre, Aníbal Pereira dos Reis, era um homem que pensava assim. Sofreu perseguições de todos os tipos logo após abandonar a batina, quase perdendo a própria vida. Isso porém não o desanimou. Ele até chegou a escrever um livro sobre as torturas que sofreu e ainda disse que o Brasil precisava passar por uma perseguição religiosa também.

Claro que como um bom batista, Aníbal sabia que a liberdade religiosa é um dos direitos fundamentais do homem, inerente a sua natureza moral e espiritual. Defendia o princípio batista de que a Igreja é o estado, por serem diferentes em sua natureza, deveriam viver de forma separada.[1] Mas achava que sem a perseguição, muitas se escondem atrás de mascaras.

Jesus nunca escondeu que enfrentaríamos sofrimentos como a perseguição física e moral. Ele disse isso em Mateus 24:9: “Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão…”.

Muitos homens e mulheres no passado deram as suas vidas por uma causa. Morreram em nome de Jesus! Ainda hoje muitos morrem por esta causa. Você está pronto para sofrer por Cristo?

O Soldado Fiel se prende só a causa de Cristo 

Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida…”.

Como observamos anteriormente o soldado vai para a batalha pronto para morrer. Ele só pensa na causa, que é para ele, maior que a sua própria vida. O que motiva um soldado não é a honras que poderá receber ao retornar de uma guerra. Não é a medalha ou a riqueza que poderá receber ao voltar pra casa.

O que realmente motiva o soldado é a causa pela qual milita. O soldado fiel não se prende a nada material, pois não sabe ao certo se retornará vivo ao seu lar.

Ananias e Safira, porém não agiram assim. Eles se dispuseram de forma generosa em dar todo o dinheiro arrecadado na venda de um terreno para o fundo de assistência aos pobres da igreja. Mas o casal acabou aceitando a sugestão de Satanás, e reservaram uma parte do dinheiro para eles próprios, levando a igreja a pensar que haviam entregado tudo.

Fizeram isso por conta da avareza que os prendia a este mundo. Mentiram, não a homens, mas a Deus. Prenderam-se as coisas materiais e não nas celestiais.

Hoje as coisas não são diferentes e por isso observamos cristãos que buscam nas igrejas as riquezas temporais. Cristãos que preferem ouvir uma pregação mentirosa do que aceitar a verdade. Preferem pregações que dizem que ficarão ricos, felizes e com saúde plena, do que ouvir uma pregação que diz que a nossa riqueza, alegria e saúde plena estão no céu.

Preferem isso, pois estão presas as coisas deste mundo e não as do céu. Não pensam na Eternidade,  pois vivem o hoje como se não houvesse o amanhã, mas o cristão tem uma única causa, cumprir o combate da fé.[2]

O Soldado Fiel agrada Cristo 

“… a fim de agradar aquele que o alistou para a guerra.”

Um fiel soldado é aquele que confia no comando de seu superior. Ele sabe que as ordens dadas, são ordens que devem ser cumpridas. Todas as estratégias e táticas criadas pelo comando são seguidas e obedecidas, mesmo quando não são compreendidas pelos soldados de uma forma clara.

Um crente fiel faz escolhas baseadas não em suas vontades, mas na vontade do nosso Senhor Jesus Cristo. Prossegue a sua luta desfazendo-se de suas próprias vontades carnais. Se apega apenas aos princípios e valores eternos ainda que confusos a nossa mente.[3]

Estamos vendo hoje uma uma infinidade de líderes que mudam a Palavra de Deus para agradar aqueles que se recusam a entender os mistérios de Deus. Pastores que fazem de tudo para deixar o pecador feliz a fim de aumentar o número de membros de suas igrejas. Pessoas que ignoram ou modificam até as doutrinas básicas do cristianismo satisfazer a clientela.

Essa distorção das verdade bíblicas tem crescido assustadoramente por conta a teologia liberal. Um dos conceitos mais propagados hoje é o do universalismo. Ou seja, Deus amou o mundo e por isso Cristo morreu na cruz. Essa é uma verdade bíblica, certo? Pois bem, o problema é que os liberais apresentam uma verdade sempre acompanhada de uma mentira. Dizem por exemplo que Cristo morreu para salvar a todos, inclusive aqueles que não tem Jesus como o salvador, ignorando assim a existência do inferno já que todos irão para o Céu.

Não podemos agradar as pessoas só para que elas se sintam mais felizes, pois ainda que vivam felizes aqui nesse mundo, passarão a eternidade tristes no inferno sem não tiverem Cristo como o Senhor. Devemos então seguir as ordens de Deus sem distorcer o evangelho de Cristo já que só ele é poder para a salvação.

Conclusão

Ninguém em sã consciência quer ir para uma guerra. Ninguém quer sofrer. Porém quando um soldado realmente vê significância em sua missão ele não exita em ir para a guerra, pois irá para batalha a fim de defender seus familiares e amigos.

Isso é algo tão sério que mesmo no Brasil, onde a pena máxima para todo e qualquer delito é de 30(trinta) anos de reclusão, a pena de morte é a pena aplicável em caso de guerras. A legislação prevê, de acordo com ao artigo 5º Inciso XLVII da Constituição Federal, que: “não haverá penas: a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, XIX”.

Isto quer dizer que o crime de deslealdade de um cidadão a sua pátria, ou seja, uma traição aos seus compatriotas é algo que não tem perdão. Este indivíduo que em tempos de guerra coopera ativamente com o inimigo receberá a sentença que prevê pena de morte.

Se você é um soldado que espera uma vida sem problemas, que abandona a luta na primeira dificuldade e perseguição, que busca receber a glória dos homens e que busca de riquezas materiais, saiba que você não passa de um soldado desertor. Um soldado que nunca compreendeu que a missão de nosso General Jesus Cristo. Porém se você é um fiel soldado que sofre por Cristo, que não se prende as coisas deste mundo e agrada somente a Deus, a sua vitória já esta garantida no final da batalha.

Notas

[1] Souza A. A., Maturidade Cristã, Rio de Janeiro: JMN,2005, p.116

[2] II Timóteo 4.7

[3] Filipenses 3.13



Alessandro Brito

Alessandro Brito

Alessandro Miranda Brito, casado, 33 anos de idade, bacharel em Teologia, plantador de igrejas da Co-Mission Church Planting Network.


Deixe seu comentário!