MENU

Melquisedeque era Jesus Cristo pré-encarnado no Antigo Testamento?

“Jurou o Senhor, e não se arrependerá: tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque” (Sl 110.4)


Melquisedeque
Melquisedeque era Jesus Cristo pré-encarnado no AT?

Poucos personagens na Bíblia são tão obscuros como Melquisedeque. Sua vida é cercada de mistérios: “Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre” (Hb 7.3).

Há apenas três livros que lhe fazem menções na Bíblia (Gn 14.18-20; Sl 110.4; Hb 5–7), e com informações não muito precisas, mas suficientes para afastarmos dele a possibilidade de ser uma manifestação cristofânica no Antigo Testamento.

Leia mais

A única menção histórica de Melquisedeque está em Gênesis, quando do encontro de Abrão que lhe ofereceu dízimos e a quem deu a sua benção sacerdotal. As demais menções em Salmos e Hebreus são teológicas, nada acrescentando sobre o perfil de Melquisedeque (uma exceção, talvez, para Hebreus 7.3). Segundo Gênesis 14.18-20 (em três versículos apenas!), Melquisedeque:

  • Era rei de Salém (provavelmente antigo nome de Jerusalém), numa época em que cada cidade costumava ter seu próprio rei e sua independência política
  • Era sacerdote do Deus altíssimo (portanto, primeiro sacerdote temente a Deus de que se tem informação, contemporâneo do patriarca Abrão, e que não pertencia aos descendentes de Levi, até porque mesmo este nem havia nascido ainda, e menos ainda Arão e seus filhos que constituíram o sacerdócio levítico de Israel).
  • Ofereceu pão e vinho a Abrão quando este voltava de uma peleja contra os reis que tinham tomado Sodoma e Gomorra e levado cativo a Ló, seu parente
  • Abençoou Abrão e reconheceu-o como servo do mesmo Deus altíssimo
  • Recebeu dízimos de Abrão dos bens que este havia recobrado dos inimigos

A menção a Melquisedeque no livro dos Salmos é messiânica e demonstra como a memória daquele homem que abençoou Abrão foi preservada e enaltecida por Deus: “Jurou o Senhor, e não se arrependerá: tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque” (Sl 110.4). A ninguém mais, senão a Jesus, este texto pode ser aplicado. Afinal, nem Davi foi sacerdote, e nem os sacerdotes de Israel foram “segundo a ordem de Melquisedeque”.

Se existiram outros legítimos sacerdotes reconhecidos por Deus na mesma ordem de Melquisedeque em seu tempo e antes do estabelecimento do sacerdócio levítico nós não sabemos. Mas sabemos com toda certeza que Jesus é “sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque” (Hb 5.10; 6.20).

A referência a Melquisedeque na carta aos Hebreus – único livro neotestamentário que o cita – é tipológica e tem tanto no texto de Gênesis quanto no de Salmos sua base histórica e teológica. Ou seja, Melquisedeque é tomado como um tipo de Jesus, alguém cujas características o assemelham a Jesus e o representa antecipadamente.

Todavia, como nenhum tipo (o que representa) é ao mesmo tempo o antítipo (o que é representado), então por aí já descartamos a possibilidade de Melquisedeque ser ao mesmo tempo um tipo de Cristo e o próprio Cristo.

Nenhum dos autores do Novo Testamento sequer cita Melquisedeque, a não ser o autor da carta aos Hebreus. E quando este o faz, jamais trata Melquisedeque como uma visão de Cristo pré-encarnado. E há uma razão muito óbvia para isto: Melquisedeque era rei e sacerdote literalmente falando; Jesus, porém, jamais poderia ser rei e sacerdote sem antes passar pela cruz, em cuja morte ele cumpriu toda a justiça de Deus, e demonstrou submissão ao Pai, que “o exaltou soberanamente e lhe deu um nome acima de todo nome” (Fp 2.9,10).

Jesus sempre seria Deus, todavia seus ofícios de rei e sacerdote lhe são atribuídos em razão de sua perfeita obra vicária (Hb 2.10; Ap 5.9,10). Ademais, conforme Hebreus 7.3, Melquisedeque foi “…feito semelhante ao Filho de Deus”. Ou seja, SEMELHANTE, e não o PRÓPRIO Filho de Deus.

Melquisedeque foi Melquisedeque. Jesus é Jesus! E por ocasião da ressurreição dos justos, conheceremos pessoalmente ao nosso irmão Melquisedeque e, distintamente, ao nosso Senhor Jesus.



Presbítero da Assembleia de Deus em Campina Grande-PB. Coordenador de Escola Bíblica Dominical. Autor do livro A Mensagem da cruz: o amor que nos redimiu da ira.

Assuntos: ,


Deixe sua opinião!