Na saúde e na doença!

Famílias curadas = igrejas saudáveis = sociedade restaurada.


Há alguns anos tenho um problema chamado contratura muscular que nada mais é que seus músculos contraírem excessivamente depois de alguma situação muito estressante, horas a fio sentada no escritório, falta de alongamento etc. As vezes tenho crises que me geram dores terríveis nas costas, ombros e pescoço, formigamento no braço e falta de ar que me forçam a ter que tirar uma pausa para repousar para que assim os músculos relaxem e voltem ao normal. Pois é, cá estou eu de molho em casa depois de 2 idas no hospital e ordens médicas de descanso e uso de medicação para alivio da dor além de banhos e compressas quentes.

Durante esse processo assim como nas outras crises meu esposo sempre esteve ao meu lado tentando me confortar de todas as formas possíveis afinal conforme a dor perdura a paciência se esvai e ficar em casa parada para alguém que sempre está fazendo algo parece um martírio – prefiro entender esses episódios como Deus tentando arrancar o espírito de Marta de mim, rs.



Eu sou uma observadora nata de pessoas e situações. Todos os lugares que vou presto atenção em quase tudo ao meu redor e as reações das pessoas é algo que me encanta. E logicamente em minhas idas ao hospital fico de bizóio tanto nos pacientes e familiares como nos médicos e equipe, primeiramente louvando a Deus pela vida deles afinal não á nada fácil lidar com a dor alheia ainda mais diariamente e nós pacientes quando vamos lá esporadicamente sempre achamos que eles devem estar bem humorados e nos tratar com amor, pois para nós aquele atendimento é único, mas para eles é mais um perante centenas de pessoas que passam ali diariamente.

Em uma dessas idas ao hospital, enquanto estávamos na sala de espera havia uma moça se contorcendo com cólica renal e sua pele já estava fantasmagórica. Era um domingo a tarde e enquanto ela gemia e mal respirava de dor seu esposo estava emburrado como uma criança de 3 anos porque estava perdendo a final do campeonato de futebol e o churras com os amigos. Ele teve a pachorra de discutir com ela na frente das pessoas na sala da espera dizendo que ela não deveria estar com tanta dor assim e que deveria ter tido a crise renal um dia antes para não perderem o churrasco com a galera. Minha vontade era levantar bater palmas para ele e dizer: aposto que você não aguenta nenhuma gripe sem fazer o maior alarde e fazer com que sua esposa te trate que nem sua mãe deve te tratar, porque você é um mimado insensível que está mais preocupado com um churrasco com os amigos do que com sua esposa. Para mim você está mais casado com a galera do que com sua mulher, para que você casou então? Masss logicamente considerei o fato de estar em um hospital e ser solidária a dor natural de quem está ali e guardei meu discurso espumando dentro de mim.

Tenho visto situações como essas inúmeras vezes assim como uma vez também no hospital com uma adolescente vomitando as tripas do meu lado e sua mãe irada com a médica que queria interna-la para descobrir o que a garota tinha, porém isso a faria perder uma super importante festa de 15 anos de uma amiga. A mãe estava mais preocupada com a festa do que com a própria filha.



Eu não sei você que está lendo esse texto, mas eu sinto uma dificuldade em mim mesma em lidar com a dor do próximo, se com a minha tenho dificuldade imagina com a do outro? Num mundo onde priorizamos eventos, compromissos, trabalho e vida virtual fazer uma pausa por estar doente parece uma ofensa ou sinal de fraqueza, ser acompanhante de alguém que está em sofrimento é encarado como desocupação num mundo tão agitado onde estar em constante fazer/produção é mais importante que ser/sentir a si mesmo e ao próximo.

Nos casamos muitas vezes idealizando somente a parte boa de nossos votos matrimoniais e achamos que se orarmos bastante tudo sempre irá de vento em polpa ou como a vida dos casais super ungidos gospel que vemos nas redes sociais sempre felizes, maquiados e fazendo declarações de amor uns aos outros. Quando dizemos na saúde e na doença queremos dizer que superaremos nossos próprios limites e histórico de dor e nos dedicaremos a entender e aliviar a dor do nosso cônjuge/ próximo não só oferecendo um analgésico ou um chá, mas sacrificando nossos afazeres, rotinas e mostrando a pessoa que o bem estar dela é a nossa prioridade.

Uma vez ouvi a seguinte frase : HAPPY WIFE, HAPPY LIFE – ESPOSA FELIZ, VIDA FELIZ  e uma vez que uma esposa está bem todo o resto vai bem também, afinal ela é a estrutura da casa e executa todas as funções descritas em Provérbios 31. Pense na esposa como a igreja, afinal Jesus é o noivo e nós a noiva certo? Quando a igreja está saudável ela brilha e reflete seu sacerdote Jesus Cristo assim atraindo multidões à ela e nunca sendo remetidas à escândalos ou difamação do evangelho.

Será que temos cumprido esse voto de fidelidade também nos momentos de dor do próximo? Será que temos sido pessoas sensíveis a dor alheia ou temos tentado fugir dela a qualquer custo nos justificando com nossas super importantes atividades?

FAMÍLIAS CURADAS = IGREJAS SAUDÁVEIS = SOCIEDADE RESTAURADA.



Carla Stracke

Carla Stracke

Missionária, Intercessora, escritora, tradutora, professora e comerciante. Tudo para a glória de Deus e com intenso desejo de ajudar a transformar mentes e corações.


Deixe seu comentário!