Os brasileiros estão mais caretas?

“Assim caminha a humanidade, com passos de formiga e sem vontade”


Gilberto Braga, um dos autores da novela global Babilônia que tem sofrido com a queda drástica de sua audiência disse em entrevista recente ao jornal O Globo que o brasileiro ‘encaretou’, que ele sente falta dos anos 80 e 90 quando não havia censura sobre exposição corpórea nas aberturas das novelas, que hoje é tudo muito hipócrita.

Babilônia é uma novela que enreda relacionamentos homoafetivos, assassinatos, desafetos, sexo e uma personagem evangélica segundo os parâmetros globais que futuramente se aproximará da personagem lésbica de Natalia Timberg e aceitará a condição da mesma. Braga insistiu que a maior queda de audiência e resistência de público tem sido em São Paulo e Goiás, porém que na verdade a novelas só será reduzida em uma semana e que alterações diárias estão sendo feitas para que a audiência se recupere. Uma pesquisa de imprensa recente apontou que a maior fatia do público global é evangélica mesmo em meio a protestos morais dessa ala e que a maior parte do público da série Os 10 mandamentos da Rede Record não é evangélico.



Ainda nessa semana a marca de cosméticos O Boticário lançou sua campanha de dia dos namorados alegando abranger todas as formas de amor e expondo sutilmente casais homossexuais o que gerou uma devolutiva negativa do público religioso e pessoas que defendem o formato da família tradicional.

Outro fato que ganhou a atenção da mídia em proporções bem maiores foi o fato de Bruce Jenner, ex atleta olímpico, padrasto das irmãs Kardashians famosas por viverem dentro de um reality show, ter se assumido como mulher aos 65 anos de idade e ter saído na capa da Vanity Fair como mulher transformada fisicamente e assumindo sua nova pessoa como Caitlyn. Ao contrário do caso Boticário, o caso Caitlyn repercutiu positivamente na mídia americana.

Toda essa movimentação religiosa ou não em torno de questões morais nos mostra um perfil de brasileiros que estão cansados da enxurrada homoafetiva que a mídia tem criado recentemente e creio eu não pela homossexualidade em si, mas como ela tem sido forçada por tantos os cantos e isso tem gerado mais repúdio do que aceitação.



Rumores dizem que na própria rede Globo que se diz a favor da homossexualidade, alguns atores e atrizes não podem sair do armário para não queimarem a imagem da emissora.

A grande questão é a mídia tenta forçar a barra em algo que nem ela mesmo aceita e faz piada sobre, uma aceitação superficial, estereotipada, novelas que apresentam homossexuais ricos, elitizados que com certeza fogem da realidade dos homossexuais marginalizados de nossa nação. A venda de uma vida ilusória como se se tornar homossexual irá resolver suas carências, fetiches e problemas amorosos anteriores.



A mídia tem usado os homossexuais como objeto de lucro, manipulação e criado uma guerra de ódio nas mídias sociais e quem tem mais sofrido com isso são os próprios homossexuais.

Encontramos mais tolerância em famílias cotidianas do que nos bastidores que supostamente levantam a bandeira da aceitação e o mais triste ainda é ver discurso de religiosos que se justificam com versículos isolados e discurso de ódio como se a prática homossexual fosse pior do que qualquer outro pecado apontado na Bíblia.

Repudiamos o que não aceitamos e escondemos por debaixo do tapete nossos podres para que ninguém saiba quão mesquinhos e falso moralistas somos.



Um dia um amigo meu disse: O cara sabe que é errado e continua sendo gay (como se fosse uma escolha ser um).

Eu então disse: você não ama e sente atração por sua namorada?

Ele disse: Sim.

Eu disse: Pois é, o gay também, porém por alguém do mesmo sexo e se fôssemos julgar a humanidade por pecado imoral, com certeza muitos já estariam queimando no inferno por adultério e sexo pré casamento.



Aaah e para concluir, ouvi esses dias uma pessoa desejando que nossa presidenta morresse caso mexesse na poupança como a oposição tem espalhado como fofoca e infelizmente obtido êxito nisso .

O brasileiro encaretou? Aplaudimos Caitlyn e filmes gays em Cannes ou no Oscar porque significa status social e cultural, mas nos revoltamos com Babilônia e uma propaganda de perfumes.

Que Deus tenha misericórdia da nossa hipocrisia, dualidade, preconceito e máscaras.

Obs: enquanto isso pessoas ainda estão soterradas no Nepal, 2 mil indianos morreram nas últimas semanas com a onda de calor no país deles, africanos ainda continuam contaminados com ebola, cólera e malária, São Paulo ainda enfrenta crise hídrica e haitianos ainda não conseguiram se reerguer do último desastre que devastou o país deles.

“Assim caminha a humanidade, com passos de formiga e sem vontade”



Carla Stracke

Carla Stracke

Missionária, Intercessora, escritora, tradutora, professora e comerciante. Tudo para a glória de Deus e com intenso desejo de ajudar a transformar mentes e corações.


Deixe seu comentário!