Os inimigos da masculinidade cristã

A comunidade da fé está enfraquecida porque os homens estão escondidos em algum quarto de frente para uma televisão jogando GTA.


Os inimigos da masculinidade cristã

Há uma preocupação latente nos dias de hoje. Temos visto profundas transformações políticas e sociais em nossa nação e, ao mesmo tempo, um processo denso de desconstrução essencial na figura masculina que habita a pós-modernidade. O homem que diz ser “macho” já é taxado nesta sociedade de “machista”. E o homem que se feminiza exacerbadamente é elevado às alturas da aceitação pública e midiática.

Ser homem neste tempo é mais do que um desafio – é um peso que os fracos não podem suportar.



A comunidade da fé está enfraquecida porque os homens estão escondidos em algum quarto de frente para uma televisão jogando GTA. As esposas estão chorando e cansadas porque tem dois meninos em casa para criar: um de 2 anos e o outro de 30. As crianças encontram mais referências pessoais na TV, na Internet ou na rua do que em casa. Definitivamente, homem é uma “raça” em extinção!

No entanto, o que pode mudar neste cenário? Será que continuaremos assistindo de camarote a derrocada da família tradicional por causa da omissão de maridos e pais? Será que não há mais esperança para essa mulher ou para essa criança? Será que a sociedade continuará sofrendo com as estatísticas cada vez mais avassaladoras que minimizam a expectativa e a qualidade de vida do homem no mundo? Sinceramente e particularmente, não tenho uma resposta concreta para tantas perguntas, no entanto sei que há um Deus Soberano no trono desta criação.

E este Deus, tão glorioso que é e tão misterioso, assumiu a identidade do homem. Este Deus se fez homem. Ele reavivou a esperança do mundo pela instrumentalidade do gênero humano masculino. Não é à toa que por um só veio o pecado e que também por um só veio a justiça (Rm 5.17).



Jesus tem a palavra da vida eterna que redime o homem do seu maior inimigo: si mesmo.

E é debaixo do ensino de Jesus que podemos encontrar a solução deste mal que tem devastado lares, casamentos e histórias lindas em potencial. Vamos elencar abaixo cinco inimigos da masculinidade cristã e já ponderarmos caminhos para que possamos derrota-los; e, assim, vivenciarmos grandes transformações em nós e nos nossos. São eles:



Imaturidade espiritual

Um homem não é feito da noite pro dia. E.M Bounds diz que “é preciso 20 anos para se preparar um sermão, porque são necessários 20 anos para formar um homem”. E isso não tem muito a ver com o tempo em si, e sim com o esforço pelo crescimento que gera recompensa. Numa sociedade fast-food como a nossa, adentrar em projetos de longo prazo para muitos parece uma perda de tempo, contudo é esse o caminho bíblico para o amadurecimento espiritual que resultará no pastoreio do lar. Homens imaturos espiritualmente estão falhando na liderança de suas casas, impedindo que suas esposas e filhos desejem mais a Cristo e busquem a glória de Deus. A imaturidade espiritual se vence pelo exercício da piedade cristã, se devotando mais a Jesus e abandonando as alianças que foram feitas com a carne e os desejos maus.

Imaturidade econômica

Somos bombardeados pelo consumismo e pelo entretenimento, de modo que o dinheiro simplesmente nos falta devido à sua má gestão. Gastamos muito naquilo que não é essencial e falhamos quase que todo dia na arte de economizar. Tudo isso é uma demonstração de que o senso próprio de responsabilidade no Reino está enfraquecido, quiçá inexistente. Precisamos enfrentar o sentimento irresponsável e inconsequente (tão comum nos adolescentes) e direcionar a razão para as decisões que implicam diretamente nas nossas contas e necessidades básicas. Não adianta sair gastando com cinema, viagem ou com aqueles milhares de luxos supérfluos e ter a dispensa vazia por conta disso. E também precisamos nos dedicar ao nosso emprego, buscando “segurá-lo” (ainda mais no país com a crise que está) e não dando brechas para uma possível demissão sem justa causa. A imaturidade econômica tem roubado o sono de muitos cônjuges e o homem é o maior responsável pela proteção da casa, inclusive financeira. É importantíssimo que se busque a orientação bíblica, a sabedoria do alto pela oração e o aconselhamento com vistas de restabelecer a ordem e a decência na administração dos recursos que Deus dá para a sua família subsistir mês a mês.

Imaturidade física

O homem possui ombros mais largos para poder servir melhor a sua família fisicamente. Não somos mais fortes para abusarmos de nossas esposas e filhos, nem para trata-los com violência e ira, mas para protege-los e cuidarmos melhor de todos no recôndito familiar. Satanás tem manipulado mentes neste tempo fazendo o homem gastar todas as suas energias na produção da violência e do orgulho, quando Deus o criou para usar tal energia para fins de serviço e cuidado. Não permita que o seu corpo deixe de louvar ao Criador por causa das influências malignas que tentam te reduzir a uma imagem e uns músculos. Seja um homem santo que se alegra na verdade de que é a habitação do Espírito de Deus!



*Tirando o caso de quem possui uma enfermidade ou incapacitação física, temos em Deus uma vocação para maturidade física, de modo que seja visível a nossa preeminência masculina na sociedade.

Portanto, combine na sua maneira de viver o compromisso e o vigor para que a sua família seja protegida e, o teu Deus, exaltado.

Imaturidade sexual

Este inimigo precisa ter o seu poder reconhecido. O homem pós-moderno é um escravo sexual. Somos tentados todos os dias a reduzir a mulher a um mero corpo de carne andante, e não temos o controle muitas vezes dos nossos impulsos lascivos. A questão da imaturidade sexual se revela e se esclarece no discipulado (ou na falha dele). Os jovens cristãos de hoje em dia não estão conseguindo entrar no casamento virgens, e muitos se enganam pelo que ouvem na escola ou na faculdade. Na questão da moralidade sexual, ser “retrógrado e atrasado” é a chave para o sucesso futuro com o seu cônjuge. Quando não sabemos lidar bem com isso, principalmente mediante ao que tememos ou não acerca da vontade de Deus para nós, tendemos a nos frustrar precocemente. E a precocidade pode se agravar na relação direta com a sua esposa.

Lute pela santidade no seu casamento. Considere que o sexo não é apenas prazer (contudo, não é apenas para fins reprodutivos), e que o escopo do desígnio de Deus para a vida humana passa por sua sexualidade. Uma sexualidade sadia adora àquele que a criou; porém, uma sexualidade adoecida é um mal-em-si que entristece o Espírito Santo. Não seja vencido pela fraqueza sexual e não se omita na sua busca pela maturidade neste aspecto da vida. Se esforce pelos meios de graça e se fortaleça no amor divino, bem como no amor marital.



Imaturidade pessoal

A nossa maior batalha é a batalha pela integridade e pela piedade. Temos todas as armas, mas não basta apenas deter o poderio bélico contra a imaturidade pessoal. Precisamos de coragem para não recuarmos ante os desafios que sempre exigirão de nós confissão, arrependimento e muitas mudanças nos hábitos e nas escolhas. Precisamos aprender com o fracasso, reconhecer as fraquezas e admitir derrotas. Mas também precisamos nos posicionar firmemente em nossas relações conjugais, familiares e comunitárias, demonstrando que somos adultos e responsáveis na colaboração e na construção de uma nova consciência, aquela que prioriza a Deus, o cônjuge, os filhos, a comunidade da fé e a cidade, não negociando a ordem dessas prioridades em nossas vidas.

A masculinidade bíblica, para ser aplicada nos dias de hoje, exige muita coragem de quem a intenta aplicar. Não basta ter boas ideias na mente e palavras belas nos lábios; é preciso de mãos e pés firmados na verdade, na santidade e no amor. Não podemos nos permitir viver fora de um olhar fixado na pessoa de Jesus Cristo, que é o nosso Modelo Supremo de ser homem, e não devemos aceitar que este mundo nos defina, pois a Escritura já estabeleceu que fomos recriados pela fé à imagem do Filho, que foi e é homem como ninguém ousou ser, e que nos ajuda em todas as dificuldades, dores, perdas e tribulações.



Maycson Rodrigues

Maycson Rodrigues

30 anos, é casado com Ana Talita, estudante de Teologia Reformada e estuda Filosofia na UFRJ. É compositor, escritor e músico e trabalha no ministério paraeclesiástico e missionário chamado Entre Jovens. Recentemente publicou um livro intitulado “Aos maridos: princípios do casamento para quem deseja ouvir”.


Deixe seu comentário!