Páscoa judaica x Páscoa cristã

História mostra como ocorreu a separação das duas festas religiosas


Páscoa judaica x Páscoa cristã

Este ano, enquanto os cristãos celebram a “sexta-feira santa”, os judeus celebrarão o início da Páscoa. Mas na maioria dos anos, as duas celebrações são separadas, às vezes com várias semanas. Segundo as Escrituras, elas deveriam ser comemoradas no mesmo dia, pois ambas ocorreram no dia 14 de Nissan no calendário hebraico, que é lunar.

Há cerca de 2000 anos, judaísmo e cristianismo não eram vistos como duas religiões diferentes. Jesus, o Messias judeu, veio ao povo judeu com uma mensagem de salvação, e essa mensagem foi então pregada ao mundo inteiro.

No começo, os cristãos eram quase na totalidade judeus convertidos. Os primeiros discípulos eram todos judeus, com nomes como Yaakov (Tiago) e Yehuda (Judas) e Yochanan (João). De fato, o nome do Senhor era Yeshua, não Jesus, e Ele era chamado de “rabino”, não de “pastor”.

A data que Jesus morreu na cruz pelos pecados da humanidade não era coincidência. Foi em na Páscoa, quando os judeus lembravam o fim da escravidão no Egito e o livramento de Deus daqueles que creram nele. Além disso, Jesus ressuscitou dos mortos na festa das primícias, que ocorria naquele domingo. A vida do Espírito Santo, 50 dias depois, foi durante a festa judaica das Semanas (Shavuot). O nome grego é que a tornou a data conhecida como Pentecostes.

Todos os eventos relacionados com a morte e ressurreição do Messias, além do envio do Espírito aconteceram seguindo o calendário bíblico descrito em Levítico. Isso era algo muito claro para os primeiros gentios convertidos. Paulo fala sobre isso em sua carta à igreja de Corinto: “Livrem-se do fermento velho, para que sejam massa nova e sem fermento, como realmente são. Pois Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi sacrificado. Por isso, celebremos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da perversidade, mas com os pães sem fermento da sinceridade e da verdade” (1 Coríntios 5: 7-8).

Separação das datas

Somente depois de muito tempo os seguidores de Jesus começaram a referir-se ao dia da Sua morte como “sexta-feira santa”, e o dia da sua ressurreição como Páscoa. Na verdade, a Páscoa (pessach) é comemorada na sexta. Os cristãos ortodoxos até hoje distinguem esses dois aspectos, comorando a Pascha staurósimon (páscoa na Cruz) e Pascha anastásimon (Páscoa na ressurreição).

A separação das datas foi oficializada durante o Conselho de Nicéia, em 325 d.C., quando o cristianismo já era a “religião oficial” do Império Romano, após o decreto do imperados Constantino. O Concílio fixou a celebração da Páscoa no primeiro domingo depois da primeira lua cheia da primavera, seguindo a práxis habitual na Igreja de Roma.

A partir da Carta do Imperador para todos aqueles que não estão presentes no Conselho. Encontrado nos escritos de Eusébio [Vita Const., Lib. III., 18-20]:

“Quando a questão relativa ao sagrado Festa de Páscoa surgiu… Foi declarado ser particularmente indigno para isso, o mais santo de todos os festivais, a seguir o costume [de cálculo] dos judeus, que tinha as mãos sujas com o mais temível dos crimes, e cujas mentes estavam cegas. Ao rejeitar seu costume, que podem transmitir aos nossos descendentes o modo legítimo de celebrar a Páscoa, o que temos observado a partir do momento da Paixão do Salvador aos dias de hoje [de acordo com o dia da semana]. Nós não devemos ter nada em comum com os judeus, pois o Salvador mostrou-nos um outro caminho; nossa adoração segue um curso mais legítimo e mais conveniente (a ordem dos dias da semana); e, consequentemente, ao adoptar por unanimidade este modo, nós desejamos, irmãos caríssimos, separar-nos do detestável companhia dos judeus”.

Ficou, portanto, determinado que os cristãos celebrariam Páscoa na primeira lua nova depois do Equinócio da Primavera (de outono, no hemisfério sul). E isso pode ocorrer na mesma data, caso a lua cheia e o equinócio ocorressem no mesmo dia, que é sempre em 21 de março no calendário gregoriano.

Essa foi uma ruptura deliberada com o povo de Israel.

Além disso, a astronomia romana não era tão desenvolvida e a festa estava relacionada ao ciclo lunar do calendário judeu. A Páscoa Cristã varia a cada ano – entre 23 de março e 24 de abril. Isso ocorre por que é usado um sistema complexo, desenvolvido para tentar acomodar calendários diferentes, uma vez que a Páscoa Judaica é determinada pelo calendário bíblico, lunar e com ciclos de 28 dias.

O calendário ocidental (criado pelo papa Gregório em 1582) é solar e não combina com os ciclos astronômicos, por isso há uma grande variação.

O astrônomo Robert Cockcroft, da Universidade McMaster, no Canadá, explica que esse ‘problema’ foi resolvido quando se fixaram “datas eclesiásticas”, diferentes das datas astronômicas: “Se a lua cheia ocorrer durante o equinócio, os cálculos eclesiásticos tendem a forçar a próxima lua cheia para determinar a data da Páscoa”.

Cordeiro pascal

Sendo assim, a comemoração da Páscoa judaica e cristã possuem aspectos astronômicos distintos quanto ao dia em que são celebradas. A história mostra que a separação do calendário bíblico foi deliberada. Porém, o sentido espiritual continua sendo o mesmo.

Enquanto judeus celebram o Pessach (‘passar por cima’) eles lembram do livramento do Egito, que teve o ápice quando o anjo da morte poupou apenas as casas daqueles que tinham crido na promessa de Deus e aspergido com o sangue do cordeiro. (Ex.12:11-27)

O cordeiro morto tinha de ser macho e não podia ter defeito. Não podiam ser quebrados seus ossos.  Jesus foi, numa metáfora, o cordeiro de Deus sacrificado para que sua morte oferecesse, a liberdade do pecado e a passagem da morte para a vida eterna.

Adaptado de One for Israel



Jarbas Aragão

Jarbas Aragão

Jarbas Aragão é pastor, professor de inglês e tradutor. Quando não está cuidado dos filhos lê, vê filme e séries. Formado em teologia, acredita que cristão precisa usar discernimento pra ver o mundo.


Deixe seu comentário!