Pentecostes – Shavuot (Festa das Semanas)

Hoje, 20 de Maio de 2018 a Igreja que surgiu no ano 33 na Festa Judaica chamada Pentecostes comemora 1985 anos.


Pentecostes - Shavuot (Festa das Semanas)

As Festas de Deus para Israel são sete e estão divididas em dois grupos: Festas da Primavera: Pessach – Páscoa; Matzot – Pães Ázimos; Habicurim – Primícias e Shavuot – Pentecostes. E Festas do Outono: Shofarot – Trombetas; Yom Kipur – Dia do Perdão e Sucot – Tabernáculos.

Os Nomes

Veremos a última festa da primavera (hemisfério norte): Shavuot (hebraico), que quer dizer Semanas (Lv.23:15), pois ela acontece sete semanas e um dia após a Páscoa –“Depois contareis para vós … sete semanas inteiras … contareis cinquenta dias” (Lv.23:15-16) – com a contagem (Sefirá) do Ômer. O Ômer era a medida usada pelos israelitas para mensurarem o maná colhido no Deserto a cada dia, com porção dobrada na sexta-feira, com a capacidade de 2,9 litros (Êx.16:16).

Também é conhecida como Festa da Colheita, por nesse período ocorrer a colheita de grãos, trigo e cevada (Êx.23.16). Shavuot marca o encerramento da colheita do trigo (Êx. 34:22; Nm.28:26; Dt.16:10).

Contudo, o nome mais popular é: Pentecostes (em grego antigo πεντηκοστή – pentekostē, ἡμέρα – hēmera, “o quinquagésimo [dia]”). O Pentecostes é uma das celebrações mais importante da cristandade, e comemora a descida do Espírito Santo sobre os discípulos de Jesus Cristo.

Shavuot é comemorada no dia 6 de Sivan em Israel e nos dias 6 e 7 de Sivan entre os judeus da Galut (Diáspora), data que corresponde aos meses de maio e junho do calendário ocidental (gregoriano).

Propósitos da Festa

Na época bíblica a festa de Shavuot tinha como propósito levar o povo de Israel a um nível coletivo de adoração a Deus. Possibilitar a manifestação voluntária de gratidão pela abundancia da colheita, pela multiplicação do rebanho, enfim, pelo cuidado providencial de um Deus provedor e amoroso. As festas também eram uma grande oportunidade de aprender sua própria história e herança como povo.

Os milagres operados por um Deus que cuida, que se relaciona com os seus através de suas bênçãos e que recebe de volta a alegria expressa em louvor e adoração ao seu santo nome.

O que era celebrado nessa festa? A provisão de Deus ao seu povo através da colheita dos grãos (em especial o trigo).

A Festa era celebrada com dois pães com fermento“Das vossas habitações trareis dois pães de movimento; de duas dízimas de farinha serão, levedados se cozerão; primícias são ao SENHOR” – e sacrifícios de animais (Lv.23:17-20). Os sacrifícios, com os alimentos, representavam a gratidão do povo a Deus. Além disso, os agricultores, vindos de toda a parte do país, traziam seus dízimos em espécie (dinheiro) ou em frutos da colheita para abastecer a casa (Templo) de Deus com comida para o ano todo. Como está escrito em Malaquias 3:10: “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes”.

Também nesta festa é comemorado o recebimento da Torá, a Lei de Deus dada a Moisés no Monte Sinai em Êxodo 19:1: “Ao terceiro mês da saída dos filhos de Israel da terra do Egito, no mesmo dia chegaram ao deserto de Sinai”. Na figura das duas tábuas da Lei com os Dez Mandamentos Êxodo 24:12: “Então disse o SENHOR a Moisés: Sobe a mim ao monte, e fica lá; e dar-te-ei as tábuas de pedra e a lei, e os mandamentos que tenho escrito, para os ensinar”. A entrega da Torá no Sinai está associada a Shavuot por uma questão de data, uma vez que os israelitas chegaram ao Sinai na primeira semana do terceiro mês (Nisã, Iyar, Sivan). O que segundo a tradição colocaria a Revelação no Sinai no dia seis de Sivan, o primeiro dia de Shavuot.

Esta Festa é um feriado nacional para Israel até os dias de hoje: “E naquele mesmo dia apregoareis que tereis santa convocação; nenhum trabalho servil fareis” (Lv.23:21a).       Esta Festa revelava uma preocupação social com os pobres e estrangeiros da terra: “E, quando fizerdes a colheita da vossa terra, não acabarás de segar os cantos do teu campo, nem colherás as espigas caídas da tua sega; para o pobre e para o estrangeiro as deixarás. Eu sou o SENHOR vosso Deus” (Lv.23:22). Esse exemplo está bem ilustrado no livro de Rute, que narra o cuidado com os pobres de Belém, incluindo a família de Noemi, juntamente com sua nora – a moabita viúva Rute (Rt.2:1-7). Cabe destacar que foi na celebração de Shavuot que Rute aceitou o pedido de casamento de Boaz, seu remidor (Rute 3,4).

Costumes

Como celebra-se Shavuot hoje?

Em Shavuot, enfeitam-se as casas e sinagogas com frutas, flores, folhas e plantas, para recordar a época da colheita e a oferenda dos primeiros frutos. Durante as orações, lê-se na Torá o trecho referente à entrega dos Dez Mandamentos (Êx.20:1-17). Uma forma de honrar a entrega da Torá é passar a primeira noite de Shavuot estudando-a, seja em casa ou na sinagoga.

Pratos Típicos                                                           

Como costume, come-se em Shavuot laticínios e mel: “Oh! Quão doces são tuas palavras ao meu paladar, mais doces do que o mel  à minha boca” (Sl.119:103). Que as palavras da Torá sejam tão prazerosas e aceitáveis aos ouvidos e ao coração quanto o leite e o mel são para o paladar. Os pratos doces são: bolo de queijo, bolo supremo de queijo, entre outros. Já os pratos salgados são: lasanha desarrumada, pastelão de batatas, patê de queijo e cenoura, creme de aspargos, empadas de queijo, entre outros.                            

Porém, qual é o significado profético de Shavuot?

A formação da Kehilá (Igreja, Comunidade) do Mashiach – Messias. Jesus disse em Mateus 16:18: “Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. Pois ela tipifica o início da formação de um corpo, como descrito em 1 Coríntios 12:12-31, que seria composto por judeus e gentios, como relatado em Atos 2.

A profecia, ou seja, a mensagem revelada por Deus na Bíblia Sagrada como uma alusão ao futuro, já estava em Levítico 23:17 na forma dos dois pães levedados. Dois pães com fermento (levedo), dois pães – representam dois povos, judeus e gentios, e o fermento na Bíblia pode significar pecado, como em 1 Coríntios 5:8: “Por isso façamos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os ázimos da sinceridade e da verdade”, pois o fermento azeda a massa corrompendo seu estado original.

Desses dois povos o Messias faria um e os aceitaria como sua Igreja, conforme Efésios capítulo 2: “… lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão … Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo … Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, E pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades” (Ef.2:11-16).

Foi isso o que aconteceu em Pentecostes, a união de dois povos. A Igreja é a união de judeus e gentios que creem em Jesus, que formam representativa e espiritualmente o corpo vivo de Cristo na terra.

Quando isso aconteceu?

Na Festa de Shavuot – Pentecostes, no ano 33 d.C. Evento registrado no livro dos Atos dos Apóstolos, especialmente no capítulo 2. Jesus disse para os apóstolos ficarem em Jerusalém, “E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos concordemente no mesmo lugar” (At.2:1) – aguardando o Espírito Santo – “E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (At.2:4). Na Festa de Pentecostes estavam reunidos judeus de toda a parte do mundo, “E em Jerusalém estavam habitando judeus, homens religiosos, de todas as nações que estão debaixo do céu” (At.2:5) e prosélitos, gentios que criam no Deus de Abraão, Isaque e Jacó,“… forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos, cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus” (At.2:10b-11).

Naquele dia um grande sinal do céu estava sendo dado. Que sinal era esse? O nascimento da Igreja de Cristo (At.2:12), cumprindo assim a promessa do Senhor Jesus (Mt.16:18). A conclusão daquela manifestação do Espírito Santo de Deus foram almas salvas e incorporadas à Igreja de Jesus Cristo (At.2:37-41).

Hoje celebramos o nascimento da Igreja do Senhor Jesus Cristo, uma instituição divina com a missão de glorificar a Deus, conquistando almas entre as nações para Cristo, edificando-as em Cristo, e enviando-as por Cristo: “Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória pois, a ele eternamente. Amém” (Rm.11:36).



Alexandre Dutra

Alexandre Dutra

Pastor Batista, Diretor dos Amigos de Sião, Mestrando Estudos Judaicos (USP)



Deixe seu comentário!