MENU

Quando a política interfere na vida cristã

Votar em Lula ou Bolsonaro não impede ninguém de ser salvo, mas confiar em outro salvador a não ser Jesus Cristo, impede.


Quando a política interfere na vida cristã

Vi recentemente um vídeo do canal Dois Dedos de Teologia sobre o uso de palavrões por cristãos. Como eu não tenho um vocabulário muito exemplar e tinha uma vasta coleção de justificativas para o meu uso chulo do vernáculo, eu achei interessante assistir ao vídeo para ouvir uma opinião contrária que talvez pudesse me convencer.

E convenceu, através das Escrituras. Pude perceber não apenas que eu estava errado, mas também em que momento o erro foi aceito por mim. Percebi como tinha sido facilmente enganado simplesmente por não observar atentamente as Escrituras.

Leia mais

Apesar de não ser muito velho eu posso dizer que já percorri um vasto espectro de posições políticas que vai desde votar no Lula e participar de um concurso de redação de um Colégio Militar com o pseudônimo “Carlos Marighella” até virar um ’Evangelista da Direita’ e distribuir “O mínimo que você precisa para não ser um idiota” para amigos pensando estar salvando-lhes a alma.

Desde muito jovem sempre tive vontade de entender como as coisas funcionam e não foi diferente com o funcionamento da sociedade, queria entender as relações de poder; queria entender porque alguns eram ricos e outros não; queria saber de onde vêm os costumes do povo… Como todo estudante do sistema de ensino brasileiro eu encontrei uma resposta pronta e fácil no pensamento esquerdista: luta de classes, patriarcado, machismo, imposição das elites!

Para o adolescente de classe baixa que eu era isso parecia sinfonia para os meus ouvidos, sanava meu ego adolescente de achar que sabe tudo a respeito de tudo e ao mesmo tempo ganhava de brinde uma desculpa para meus fracassos jogando no ‘sistema’ toda a culpa de qualquer lacuna nas minhas realizações pessoais.

Mas tudo mudou quando eu saí do interior de Minas Gerais para ingressar na universidade em Belo Horizonte aonde eu pude conhecer in loco, durante uma das muitas invasões de reitoria, o comportamento real daqueles que compartilhavam e propagavam as mesmas idéias que eu. Como cristão na hora eu percebi que havia algo de errado naquilo, mas ainda não sabia explicar.

A decepção com a esquerda foi grande mas eu ainda mantive por algum tempo uma maneira relativista de pensar herdada do esquerdismo, por exemplo, quando eu lia Pv 24:21-22, que vai contra qualquer movimento político revolucionário da história, eu sempre pensava “mas foi o Rei Salomão que escreveu isso, é claro que ele não quer que o povo se revolte, ele quer é perpetuar o discurso da elite da qual ele faz parte”.

Deixei de lado um pouco o estudo da política, mas continuei interessado em outros assuntos, e em uma leitura despretensiosa de um texto de filosofia de Nova Era (que é um nome comercial para filosofia satanista) eu me surpreendi com a semelhança entre o que eu estava lendo e os textos esquerdistas que eu havia lido quando adolescente. De repente passei a me interessar outra vez por política, mas agora com um olhar diferente, passei a enxergar política como uma batalha espiritual no campo das idéias.

Com este novo ânimo devorei em pouco tempo vários livros que iam contra o meu pensamento esquerdista da juventude, conheci autores brilhantes que nunca me foram apresentados antes, era um novo mundo se abrindo. Foi quando um amigo me apresentou uma droga mais pesada, ele comentou que havia um velhinho legal que comentava sobre filosofia e política na internet: fui introduzido ao Olavismo.

Escutei a primeira vez o programa ‘True Outspeak’ em 2010 e na mesma hora me maravilhei pelo conhecimento do Olavo nos campos de filosofia, política e movimento revolucionário. Não demorou muito e em pouco tempo eu já tinha escutado todos os programas que já haviam sido gravados desde 2006.

O conhecimento do Olavo parecia não ter fim, parecia não haver livro que ele não tinha lido ou tema que ele não tinha estudado, ele versava sobre todos os assuntos, inclusive Cristianismo (àquela época o Olavo já se declarava católico, mas ainda não era um opositor ferrenho do Protestantismo). A precisão com que o Olavo previa os acontecimentos políticos me fez acreditar que de fato ele sabia tudo e a fraqueza intelectual de seus opositores me fez pensar que ele era inquestionável. Assim que terminei minha graduação e tive tempo livre suficiente, fiz a minha inscrição no Curso Online de Filosofia.

Dado o vasto conhecimento filosófico e a precisão com que o Olavo descrevia os fatos políticos (e estes dois méritos não podem ser tirados do Olavo) eu julguei incorretamente que poderia tomar o Olavo como guia para outros campos além da política, e foi assim que comecei a empregar palavrões no meu vocabulário, comecei a me preocupar mais com as opiniões políticas da pessoa do que com o seu conhecimento do Evangelho, comecei a achar que se limpássemos o esquerdismo do Brasil o país  estaria salvo e, por pouco, não perdi boas amizades por causas ideológicas. Mas o temor à Palavra me freou e com misericórdia Jesus me resgatou desta loucura a tempo.

Minha libertação começou após um incidente besta porém significativo, houve um mal-entendido entre o Olavo e o Júlio Severo (comentarista político protestante) e a coisa foi feia, não vou descrever o barraco todo mas é fato que após este desentendimento o Olavo começou a postar ofensas e inverdades a respeito do que foi e é o movimento protestante.

Como eu já conhecia o trabalho do Olavo há algum tempo eu sabia que isto era uma mudança de posição porque ele costumava defender pontos do pensamento protestante em seus textos, mas o que mais me espantou foi ver ele esbravejando e ressoando tal qual um tambor vazio de argumentos exatamente da mesma forma com que acusava seus adversários de fazê-lo.

Depois de alguns meses assistindo a essa revelação de decadência, tive o prazer de ler por acaso o texto “A Igreja Católica contra o capitalismo (para o desespero das olavetes)”, de Lucas Banzoli, que foi publicado em um site de apologética cristã. No texto autor demonstra respeito intelectual pelo Olavo e ao mesmo tempo usa várias referências do próprio Olavo para revelar a histeria que havia tomado conta dos seus seguidores.

O texto em si já foi bastante revelador e confirmava minhas suspeitas, mas a pá de cal para enterrar de vez meu olavismo veio nos comentários, o PRIMEIRO comentário do texto é do próprio Olavo xingando o autor de ‘cretino’ (sic) e prometendo uma refutação futura, logo em seguida os textos do Olavo sobre os aspectos positivos do protestantismo foram tirados do seu site oficial, textos que eu já tinha lido, textos que ainda podem ser encontrados por aí porque “uma vez na internet, para sempre na internet”.

Depois desta saga decepcionante pelas ideologias políticas eu pude perceber que QUALQUER cosmovisão ideológica tem vários pontos de conflito e negação do Cristianismo, sendo que em alguns casos a ideologia por inteiro é uma negação de Deus (por exemplo o materialismo dialético do qual o esquerdismo nasceu). Este conflito é difícil de resolver mas é fácil de ser entendido, o Cristianismo abrange todos os aspectos da vida do cristão, desde sua vida espiritual até a maneira como ele joga futebol, e, apesar do Cristianismo não ter um projeto político-social, ele é uma cosmovisão completa de entendimento da realidade.

Assim sendo quando há um conflito entre a ideologia e o cristianismo, ou escolhemos analisar a ideologia desde um ponto de vista cristão ou escolhemos interpretar o Cristianismo dentro da ótica da ideologia. Por exemplo, ou podemos estudar a luta de classes julgando-a pelos parâmetros cristãos ou podemos ler a bíblia como se fosse uma história de conflito de classes; podemos analisar as propostas de um político de acordo com a Palavra ou podemos manipular a Bíblia para dar apoio a um projeto partidário. Cabe a nós a escolha.

“Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.” Gálatas 1:8

Eu sempre penso nesse versículo (Gl 1:8) quando me lembro da facilidade com que fui enganado pelas ideologias políticas, no meu caso nem precisou descer um anjo do céu para me enganar, bastou apenas alguns velhacos bem espertos. Troquei algumas verdades do Evangelho por análises políticas e uma interpretação da realidade que, mesmo que tenha seus méritos e acertos, ainda é míope e manca porque lhe falta a Verdade. Graças a Deus não fui longe demais a ponto de fazer algo terrível. Mas infelizmente há muitos cristãos que acabam cometendo erros com consequências graves que podem até mesmo levar ao afastamento definitivo de Cristo.

Muitos cristãos se tornam escravos da carne porque acreditam que a psicologia moderna tem uma melhor resposta para lidar com a sexualidade do que a Bíblia que é tachada de “retrógrada, ultrapassada e opressora”.

Muitas mulheres preferem acreditar no empoderamento feminista moderno como guia para suas vidas e acabam optando por priorizar uma posição no mercado de trabalho ao invés de priorizar a vida familiar, normalmente quando descobrem que a carreira no mercado de trabalho é efêmera e vazia (mesmo para os homens) já é tarde demais.

Já outros cristãos mordem a isca de Satanás com os dizeres “família e tradição” e se enveredam em verdadeiras seitas que apostam no velho e tradicional como fonte de autoridade e salvação, tirando Cristo do papel central de único Deus e promulgando dogmas que já nem podem mais ser classificados como cristãos. Não podemos nunca esquecer que Judaísmo e Islamismo são tradicionais e pró-família mas nem por isso quem vive por meio deles estão inseridos em Jesus.

É preciso ter muito cuidado com quem ou o quê colocamos como autoridade sobre nossas vidas porque algumas decisões têm consequências que podem ecoar a vida toda e até pela eternidade. Um bom sistema político pode nos dar mais conforto na nossa passageira vida terrena, mas só Cristo pode nos dar a verdadeira Paz.

Podemos escolher hoje quem é o senhor em nossas vidas, se é Jesus ou se são alguns filósofos, sociólogos e psicólogos que morreram na desgraça como cobaias da própria teoria. Trocar o Evangelho por cartilha ideológica é uma escolha péssima, votar em Lula ou Bolsonaro não impede ninguém de ser salvo, mas confiar em outro salvador a não ser Jesus Cristo impede.

“Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens.” 1 Coríntios 7:23



Casado, engenheiro por formação e apologista cristão por vocação.

Assuntos: , , , , ,


Deixe sua opinião!

Mais notícias