Quando o humor sai pela porta dos fundos

Ele está entre nós sim, com muita graça!


Quando o humor sai pela porta dos fundos

Não consigo imaginar a vida sem o humor. Sinceramente, seria inviável. Já lidamos todo dia com a violência urbana e os escândalos de corrupção, fora os altíssimos índices de desigualdade social e desemprego, de modo que a gente precisa de uma “distração” que nos faça esquecer – nem que por alguns minutos – que a vida é tão dura, cruel e tão sofrida.

No entanto, me parece que a trupe do Gregório Duvivier está encontrando alguma dificuldade para fazer o povo rir sem a necessidade de se ridicularizar a fé alheia. Nunca vi um grupo humorístico tão desprovido de criatividade, que precisa fazer mais de 30 vídeos (deve ter muito mais, pois fiz uma contagem rápida onde, de 150 vídeos, 30 são sátiras contra a religião cristã) para satirizar, ou melhor, ridicularizar a crença de evangélicos e católicos com vistas ao entretenimento e enriquecimento próprio.

E o “mau humor” deste grupo tão preocupado com os equívocos das pessoas que abraçam o cristianismo em suas vidas chegou novamente num nível deplorável e extremista no intento de ofender a Cristo e a todos os cristãos indiretamente.

Logicamente que a pessoa de Cristo não sofre com tal ofensa e que, em breve, ele mesmo voltará e todos se ajoelharão diante dele sem escapatória alguma. Cristo não pode ser afetado pela ofensa de gente que não faz ideia de quem ele seja, e que constrói uma crítica à sua onipresença com a fundamentação exegética mais inocente que minha afilhada de dois anos.

Porém, creio que há uma necessidade de denunciar o conteúdo imoral e completamente desrespeitoso e agressivo ao objeto da fé alheia – o que é inadmissível jurídica e constitucionalmente.

Sabemos que a venda da empresa [de uma forma ou de outra] fez o alcance dos seus vídeos e a proeminência no cenário humorístico do YouTube despencar, tanto que um jovem (simpatizante da fé evangélica), sozinho, já lhes desbancou em termos de alcance, relevância e popularidade com uma folga que chega a ser humilhante; entretanto, o que precisamos abordar aqui é a incapacidade de comunicação social que este grupo tem apresentado nos últimos anos, o que não só reduziu o seu sucesso no cenário da Internet como provou que nem todos possuem o quilate de verdadeiros humoristas como o Chico Anysio, que permaneceu no topo por décadas – e sem precisar ficar o tempo todo ofendendo a crença dos outros.

É interessante notar que, fora do ambiente das produções humorísticas, alguns deles (como o Duvivier) dão alguns chiliques contra a intolerância e o preconceito. Mas não seria discriminatório o trabalho deles?

O fato de não fazer quase nenhum vídeo com um deles representando Allah somente demonstra que não passam de uns covardes, hipócritas e preconceituosos que se aproveitam da fundamentação prática da espiritualidade e da santidade cristã que é o amor ao próximo, pois eles sabem bem que não correm nenhum perigo enquanto ofendem a nossa crença, enquanto o assunto muda radicalmente quando o propósito passa a ser ridicularizar a fé dos islâmicos.

E é aqui que eu pretendo encorajar o leitor que é cristão. Não vamos devolver a ofensa, mas vamos afirmar sua ignorância. Deus é onipresente e foi ele quem teve a ideia do casamento e do sexo. O sexo não é outra coisa para Deus que uma representação da união vital que existe entre Cristo e o seu povo, onde o homem e a mulher se tornam uma só carne, assim como a Igreja é totalmente unida a Cristo.

A expressão e o conceito são estritamente espirituais, coisa que uma confraria ateísta é incapaz de discernir. Sua tentativa de fazer uma graça (que, convenhamos, é bem sem graça) com a fé cristã não passa de vegetação intelectual e artística, pois só conseguem alegrar o coração de seres sequestrados de si pelo ódio e pelo rancor contra o cristianismo, devido ao fato de terem lidado mal com o seu próximo e com a religião, gerando uma expectativa para além do que estes poderiam lhes oferecer.

A graça saiu pela porta dos fundos e nem chegou a se despedir. A intolerância entrou pela porta da frente e desmascarou o que de fato este grupo é. Nossas produções “artísticas” revelam um pouco de quem somos e do que há em nosso interior, que é justamente o que tentamos denunciar no outro.

E nós? Nós continuaremos adorando ao Cristo ressurreto, que desconhece os efeitos dos “mimimis” ateístas e que ainda lhes oferece a oportunidade de se arrependerem dos seus pecados e crerem no evangelho.

Minha oração é para que todos os atores, produtores e participantes deste canal conheçam a verdade que buscam tanto ofender e que, uma vez que a verdade lhes alcance pelo poder da pregação, eles percebam que o evangelho os ofende muito mais com o amor sacrificial do Cristo que eles tanto buscam perseguir.



Maycson Rodrigues

Maycson Rodrigues

32 anos, é casado com Ana Talita, bacharelando em Teologia pela Unigranrio e colunista no site Gospel Prime. É pregador do evangelho, palestrante para família e casais, compositor, escritor, músico, trabalha no ministério de adolescentes da Igreja Batista Betânia e no ministério paraeclesiástico e missionário chamado Entre Jovens. Recentemente publicou um livro intitulado “Aos maridos: princípios do casamento para quem deseja ouvir”.


Deixe seu comentário!