Quando os heróis morrem de overdose

Existe uma linha tênue entre o servo e o ídolo. Ser servo de Deus ou ídolo de uma geração.


Quando os heróis morrem de overdose

Já dizia o poeta, compositor e cantor Cazuza que seus heróis morreram de overdose e que seus inimigos estavam no poder. Cazuza parece profetizar o óbvio, uma classe artística talentosa, mas fraca no que diz respeito ao domínio próprio e a forma de lidar com a fama. Pessoas capazes de atrair multidões e influenciar a sua geração mas que apresentam uma vida cheia de solidão, depressão e infelicidade.

A vida artística é, na maioria das vezes, uma ilusão. Se formos listar os artistas seculares mais proeminentes das últimas décadas vamos perceber que boa parte destes artistas tem algumas peculiaridades em comum:



  • Influenciaram sua geração com seu talento
  • Sua arte persiste e arregimenta milhões de fãs
  • Seu legado artístico está avaliado em milhões
  • Morreram em circunstâncias suspeitas ou cometeram suicídio
  • A maioria teve ou tem envolvimento com drogas

A classe artística, salvo raras exceções, tem intimidade com o mundo das drogas, parece ser a fuga para a pressão da fama e a exigência de cumprir uma agenda exaustiva. No palco transmitem algo que lhes falta, alegria, emoção, entusiasmo, provocam lágrimas, histeria, mas por dentro se sentem vazios.

Não tem como não lembrar a música de Antônio Marcos, Sonhos de um palhaço, aquele que fala de “… um circo sem igual, onde todos representam bem ou mal, onde a farsa de um palhaço é natural …” pois “… no palco da ilusão … o palhaço pinta o rosto pra viver …”.

Cada palco tem sua história e estes seres “acima da média” muitas vezes são elevados ao status de semi-deuses, mitos, pessoas intocáveis. Suas polêmicas são perdoáveis, seus erros esquecidos, pois sempre existe o aplauso no final. O salvo-conduto está em ser o ídolo, aquele que pode tudo…



O meio cristão também está produzindo seus ídolos e com estes ídolos a decepção. A diferença é que em nosso meio, nem sempre o aplauso vem no final, o erro é fatal. A biografia de um casal “Barbie e Ken Gospel” pode ser arruinada com um escândalo. Um discurso mal feito em um momento de emoção durante aquele show com milhares de pessoas pode acabar com uma carreira. Uma postagem polêmica em uma rede social pode levar um ídolo a se descabelar e apagar sua conta e curtir uma morte súbita no mundo virtual.

O fã de um artista secular não tá nem aí se ele se droga ou não, mas um fã do artista cristão não admite que ele seja “acima da média”, embora sempre o trate como se ele fosse acima da média.

Os artistas cristãos, salvo raras exceções, não tem intimidade com o mundo das drogas. Mas existe uma overdose de exposição nas redes sociais, uma overdose de #prontofalei e depois #eumearrependi. Uma overdose de postei, apaguei. Em um momento se quer marcar posição sobre um assunto polêmico, mas depois da repercussão negativa é bom desdizer o que foi dito para manter os seguidores.

Todo este preambulo é para dizer que existe um perigo na fama, seja no meio secular ou no meio cristão. A necessidade de se manter no topo a todo custo cobra um alto preço. Hoje alguém é manchete por fazer um bom trabalho social ou evangelístico, amanhã pode estar envolvido em caso de pedofilia, divórcio e mútuas acusações.

Estamos produzindo artistas em larga escala, o meio cristão é um vasto celeiro para a realização do sonho de um artista. Temos muitos talentos, pessoas com a capacidade de ser usada por Deus e tocar vidas com seu ministério. Nossos cantores estão influenciando toda uma geração, nossos ministros são concorridos por causa de oratória e carisma. Até no meio político nos destacamos defendendo princípios fundamentais da fé cristã.

Mas existe uma linha tênue entre o servo e o ídolo. Ser servo de Deus ou ídolo de uma geração.

Muitos artistas/ministros perdem o vinculo com sua igreja após alcançarem fama, se tornam independentes, ovelhas sem pastor. Alimentam, mas não se alimentam. Existe o perigo da competitividade, quem prega mais, quem canta mais, quem tem mais seguidores, quem aparece mais nos trending topics, e por aí vai. Sem falar que existe toda uma indústria que alimenta isso e se alimenta disso. Confundem bajulação com comunhão, exortação com perseguição. Muitos não aceitam criticas, embora não queiram sair de evidência.

Para não ficar apenas em minhas palavras, vou usar alguns conselhos bíblicos dos meus heróis, aqueles que NÃO morreram de overdose, influenciaram a sua geração e a minha, a nossa, estão na eterna galeria dos heróis da fé e podem nortear a cada um de nós.

Jesus:

Portanto, aquele que se tornar humilde como este menino, esse é o maior no reino dos céus. (Mateus 18:4)

Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas. (Mateus 10:16)

A candeia do corpo é o olho. Sendo, pois, o teu olho simples, também todo o teu corpo será luminoso; mas, se for mau, também o teu corpo será tenebroso. (Lucas 11:34)

Paulo:

Salvar-se-á, porém, dando à luz filhos(espirituais ou biológicos), se permanecer com modéstia na fé, no amor e na santificação. (1 Timóteo 2:15)

Quanto à vossa obediência, é ela conhecida de todos. Comprazo-me, pois, em vós; e quero que sejais sábios no bem, mas simples no mal. (Romanos 16:19)

Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo. 2 Coríntios 11:3

Vós, servos, obedecei em tudo a vossos senhores segundo a carne, não servindo só na aparência, como para agradar aos homens, mas em simplicidade de coração, temendo a Deus. Colossenses 3:22

Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria. Romanos 12:8

Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos; (Romanos 12:16)

Oremos para que Deus conscientize todos aqueles vocacionados ao ministério, que não se permitam o rótulo de artista, mas que seu conteúdo artístico seja uma ferramenta eficaz para a expansão do Reino de Deus e bem testemunho para os que são evangelizados.



Adenilton Turquete

Adenilton Turquete

Um cristão por paixão, fé e vocação.


Deixe seu comentário!