Seja o seu próprio Lutero

Atualmente uma nova reforma seria necessária, entretanto, não há sistema central contra o qual se levantar.


Seja o seu próprio Lutero

Há 500 anos o monge Martinho Lutero leu a Bíblia e percebeu que o sistema clerical agia à revelia da Palavra de Deus.

Lutero entrou para a história como o principal reformador do cristianismo. Enfrentou a fúria de um papa poderoso, Leão X, queimou publicamente a bula papal, não se retratou quando acossado pela alta cúpula de Roma e não desistiu do propósito de denunciar os crimes, heresias e abusos da Igreja.

Atualmente uma nova reforma seria necessária, entretanto, não há sistema central contra o qual se levantar. Há incontáveis denominações, muitas delas sérias, compostas por servos verdadeiros do Deus vivo, ligadas ainda aos preceitos bíblicos readquiridos com a Reforma.

Entretanto, não há somente um papa protestante.

Há milhares deles.

Líderes denominacionais que, cada qual com sua nomeação, de pastorado, bispado, apostolado e etc, se tornaram papas de seus rebanhos, conduzindo suas igrejas de modo pouco diferente do sistema que Lutero enfrentou.

Lutero se ergueu contra uma Roma que impedia a divulgação da Bíblia em língua corrente, mantendo o público néscio, sem condição de questionar as ordenanças antibíblicas.

Hoje em dia, falsos líderes minimizam o papel da Escritura, tanto através da falta de incentivo ao seu aprendizado, como por meio da realização de cultos inflados de atividades diversas que deveriam ser secundárias ou mesmo abolidas, em detrimento à ministração da Palavra.

Lutero questionou a venda de indulgências, que eram, em resumo, a venda de perdão de pecados.

Os papas evangélicos de hoje também utilizam o dinheiro como fonte de realização dos desígnios do homem diante de Deus. Se antes o preço pago era pelo perdão, hoje é pela benção.

Os papéis que perdoavam pecados foram substituídos pelos carnês, ofertas especiais e trízimos, que são os novos documentos de liberação da “benção financeira” e da “prosperidade” que, má ensinada aos crentes sob sua tutela, se tornam sinônimos de satisfação pessoal proporcionada por objetos de consumo.

Lutero se ergueu contra o ensino de que havia intermediação entre Deus e os homens para orações e perdão de pecados, ensinando que a salvação era um dom gratuito e que todos tinham acesso ao Pai, sem necessidade de santos ou padres como intermediários.

Os atuais Reis de Roma, reis de suas próprias Romas denominacionais, se posicionam exatamente como ungidos de caráter especial, superiores e superlativados, considerando-se inquestionáveis, mesmo quando agindo em desacordo com a Palavra, se referendando com títulos pomposos e postura soberba.

Não haverá um novo Lutero para realizar a Neo Reforma. Dispomos dos instrumentos fornecidos por Deus, que por sua ação perfeita possibilitou que Sua Palavra chegasse até nós, do Espírito Santo que revela a profundidade desta Palavra e dos indicativos que grandes servos de Deus nos forneceram.

Cada um de nós precisa realizar a sua própria Reforma, apurando o filtro para identificar falsos profetas e aproveitadores, distinguindo através das escrituras, para não acabar embrenhado nas ciladas dos que falam em nome de Deus, mas buscam apenas o próprio engrandecimento pessoal e/ou financeiro.

Todo cristão verdadeiro tem o dever de ser um reformador, não o responsável pela reforma global do cristianismo, mas um reformador em pequena escala. Que identifique, denuncie e, em amor, alerte os incautos, para que não sejam pagadores de indulgências dos papas denominacionais.

Se você congrega num ambiente que ensina a você sobre um Deus gênio da lâmpada, disposto a lhe conceder desejos, mediante a contrapartida de ofertas generosas, seja o seu próprio Lutero.

Se você congrega num lugar que minimiza a relevância da Escritura, não lhe dando a devida importância como Palavra de Deus, substituindo-a por movimentos, atividades e apelações emocionais e alucinatórias, seja o seu próprio Lutero.

Se você congrega num lugar cujo líder se ergue à categoria de supra-ungido inquestionável e inatingível, seja o seu próprio Lutero.

Se você é um cristão e percebe que muitos irmãos estão sendo enganados e vivendo debaixo de um evangelho falso e oportunista, já sabe:

Seja o seu próprio Lutero.

 



Renan Alves da Cruz

Renan Alves da Cruz

Renan Alves da Cruz é historiador, professor de Escola Bíblica Dominical e colunista de política e cultura do portal Voltemos à Direita.


Deixe seu comentário!