Seja sal da Terra

“Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens” Mateus 5:13


Seja sal da Terra

Certo missionário tinha estado na cadeia há mais de 2 semanas. Ele havia sido posto atrás das grades em uma prisão em Kosovo porque tinha tentado falar a outros de Jesus Cristo. Outros missionários tentaram negociar a sua liberdade, mas dia após dia os seus pedidos eram recusados. Eventualmente, eles receberam as boas novas de que o seu amigo seria em breve libertado, por isso foram à prisão para lhe comunicarem. Os missionários descobriram que o seu amigo tinha estado a testemunhar aos seus colegas da prisão, e, quando lhe disseram que estava prestes a sair da cadeia, ele disse: “Não, ainda não. Deem-me mais uma semana. Preciso de mais tempo para partilhar o evangelho com estas pessoas.”

Essa história retrata, de maneira bem clara, o que significa ser sal da Terra! Nesse artigo, discorrerei sobre o que, de fato, isso significa.



De início, tenho aprendido que não há qualquer palavra nas Escrituras que lá esteja sem motivo ou significado, e isso também se aplica ao texto no qual o Senhor Jesus afirma que somos “Sal da Terra”. Observe que Jesus não está fazendo um pedido ou propondo uma escolha; na verdade, nosso Mestre está proclamando uma constatação: que aqueles que são seus seguidores são, necessariamente, sal da Terra!

Quanto à origem do sal na natureza, é surpreendente que este tenha sua origem nas rochas. Reforçando que não há nas Escrituras palavras soltas, é impressionante que para sermos “sal da Terra” temos que ser gerados na verdadeira Rocha, que é Jesus Cristo: “Por isso também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa; e quem nela crer não será confundido” 1 Pe 2:6.

Existem, principalmente, dois tipos de sais que dão sabor: (1) Sal da rocha e (2) Sal marinho. O Sal de rocha, cujas jazidas são mineradas, geralmente é extraído por meio de sua dissolução em água. Já o Sal marinho é obtido pela evaporação e cristalização da água do mar. O sal marinho também tem sua origem nas rochas1 que, por meio da água das chuvas, é levado destas rochas aos rios, os quais correm para o oceano. O sal espiritual de nossas vidas só pode vir da verdadeira Rocha, que é Jesus Cristo.



Para evaporação da água do mar, é necessária a utilização de salinas. Salinas são locais onde se represa esta água, predominando ventos e temperaturas elevadas, o que favorece a evaporação. O sal comum cristaliza-se antes dos outros sais dissolvidos na água e, assim, é separado. Veja que é necessário o sol escaldante sobre a água para obtenção do sal marinho. Muitas vezes, precisamos passar pelo calor escaldante das tribulações e pela força dos ventos das adversidades para que o “sal da presença de Cristo” seja gerado em nossas vidas!

O sal tem funções bem peculiares e interessantes, o que nos leva a crer que Jesus disse algo bastante profundo quando nos chamou de “Sal da Terra”. Eis as principais funções do sal:

  1. O sal dá sabor ao seu meio. De modo análogo, aquele que é servo do Senhor Jesus deve “dar sabor” ao seu meio, pela presença de Cristo e testemunho da verdade do Senhor. Ser sal da Terra significa trazer sabor a este mundo que caminha a passos largos em direção à morte! Precisam de sentido na vida e da presença do Senhor Jesus! Para que essas pessoas sejam alcançadas, precisamos, como sal da Terra que somos, dá-las o sabor da presença e do evangelho de Jesus.
  2. O sal também serve para preservação de alimentos, dado que impede a ação das bactérias da decomposição. Assim deve ser você: um antídoto contra as bactérias do pecado e que trazem a destruição do homem. Através da presença de Jesus em sua vida: Seja sal da Terra!
  3. Outra função bem interessante do sal é a de dar sede. Desta feita, como sal da Terra, você deve gerar a sede da presença do Senhor Jesus àqueles que lhe cercam!
  4. Por fim, o sal tem uma característica bem singular que é a de conservar o calor. Nos dias do nosso Senhor na terra, os fornos eram feitos de barro em forma de colmeia. Não tinham nenhuma chaminé. O fogo era colocado diretamente no forno, e, depois deste aquecido, as cinzas eram retiradas e o pão colocado no seu interior. O forno era feito de paredes duplas e o espaço que as mediava era cheio de sal. Este sal mantinha o calor depois do fogo se apagar, garantindo assim a cozedura do pão. Os antigos também diziam que, quando uma criança tinha dores de ouvido, usava-se um saquinho de sal que era aquecido no forno e depois envolvido numa toalha. O sal conservava o calor do saco durante toda a noite, o que aliviava as dores de ouvido. Assim deve ser aquele que é sal da Terra: preserva a chama do Espírito Santo acessa em suas vidas, aquecendo aqueles que lhe cercam.

É interessante observar que o sal nas sociedades antigas era um produto de grande valor. Embora o valor comercial do sal nos dias de hoje seja baixo (geralmente fica no final da prateleira e ninguém dá muito valor a ele), o seu valor quanto à sua necessidade é altíssimo, ou seja, a ausência do sal na comida é imediatamente percebida, não obstante seu baixíssimo valor comercial. Assim deve ser cada um de nós! Sem valor comercial, mas necessários a esse mundo insípido.

Temos visto muitos se tornado verdadeiras “mercadorias gospel”. Não se impor um valor comercial tem sido algo raro àqueles que louvam ao Senhor ou pregam em Igrejas, e isso é lamentável! Não se venda, você já foi comprado pelo sangue de Jesus! Seja como o sal, cuja ausência é facilmente percebida, mas não se apresenta como um produto comercial. Além disso, ninguém vê o sal na comida, mas todos o percebem. Veja, você não precisa estar aparecendo para ser sal na vida das pessoas, dado que é o sabor que você traz ao seu meio, em Cristo Jesus, que faz a verdadeira diferença.

Mas quando o sal perde o seu sabor? Em única situação: quando se mistura com a areia! Veja, o crente perde seu sabor quando se mistura com o mundo, ou seja, quando começa a ser contaminado pelo mundo!

Obviamente, devemos ser sal no mundo, e não apenas dentro da Igreja. Todavia, ser sal no mundo não significa ser acrescentado pelo mundo, mas acrescentar a presença de Jesus ao mundo! O mar morto é assim chamado porque só recebe sal sem compartilhá-lo com ninguém e, dado seu excesso de salinidade, é impossível que haja vida nele, por isso recebeu esse nome.

Seja sal nesse mundo tão carente da presença de Deus! Seja sal da Terra!

Que Deus o abençoe grandemente, em nome de Jesus.

Grande Abraço.

Fonte:

  1. http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/por-que-mar-salgado.htm



Hélio Roberto

Hélio Roberto

Casado com Hellen Sousa e pai da princesa Acsa Sousa. Servidor Público Federal, graduado em Teologia e em Gestão Pública, e estudante de Direito. Diácono e Líder do Ministério de Acolhimento da Igreja Batista Cristã de Brasília. Contato para ministração e estudos bíblicos: [email protected]


Deixe seu comentário!