Seu louvor agrada a Deus?

Devemos estar cientes de que o louvor tem como objetivo único e exclusivo agradar a Deus.


Há alguns dias, postei em minha coluna a análise da letra de um louvor muito cantado em nossas igrejas , e, infelizmente, confrontando-o com as escrituras, pude observar que esse louvor e muitos outros que são cantados na atualidade, não estão de acordo com as escrituras e muitas vezes contrariam a mensagem bíblica.



Ao postar, li muitos comentários tanto no Facebook como abaixo do meu texto, e percebi que as pessoas têm desvalorizado a proeminência bíblica no louvor, dizendo que eu estava “procurando pelo em ovos”, plantando contenda entre os irmãos e outras coisas mais.

Mas o que, de fato, eu estava fazendo era defender a ortodoxia bíblica no louvor e alertar a igreja, concernente aquilo que existe de errado em nossos cultos. Com esse texto pretendo mostrar aos irmãos a importância de um louvor centrado nas escrituras, e demonstrar que ter um coração sincero ou gostar de cantar determinada música não faz com que tal música seja aceitável a Deus e pertinente ao culto.

Música nas escrituras:

A música não é amplamente retratada no Novo Testamento. Grupos de louvor e corais não acompanhavam a pregação de Jesus. Na igreja de Atos dos apóstolos não ouvimos falar em músicas, embora Paulo tenha cantado enquanto estava encarcerado e louvores tenham sido cantado nas igrejas. A única referência que podemos confiar, de música nas igrejas é em I Coríntios 14.26, embora Colossenses 3.16 e Efésios 5.19 reflita bem as atividades de adoração pública.



O culto da igreja Neotestamentária é o modelo para nossas igrejas atuais. Reexaminar o que temos feito em nossos cultos é algo latente e necessário. O louvor – tão escasso no Novo Testamento – tornou-se central e crucial na igreja moderna. Equipes de louvor, corais, solos e música especial ocupam grande parte do tempo no culto.

A ênfase que tem se dado ao momento de louvor é gritante. Muitos julgam se uma igreja é boa ou não pela qualidade e quantidade de louvores, e isso é um absurdo! O centro do culto cristão é o próprio Cristo e sua palavra. Lógico que o louvor tem seu momento no culto, e esse momento não deve sobrepujar os momentos de oração e leitura bíblica. Portanto o tempo empregado ao louvor deve ser bem aproveitado.



O Louvor que agrada a Deus

Devemos estar cientes de que o louvor tem como objetivo único e exclusivo agradar a Deus. Não cantamos louvores para agradar nosso irmão, não cantamos louvores para agradar a nosso pastor, nem mesmo para entreter os visitantes com o que é cantado. Deus é o centro de nosso culto. Ele é o único que deve mover nosso coração a louvar e bendizer, logo, é necessário que esse louvor cumpra alguns requisitos:

– O louvor que agrada a Deus tem uma função didática:

Grande parte das heresias que entram em nossas igrejas e na mente do povo de Deus entram por meio dos louvores equivocados, não pela pregação das escrituras. Já ouviu aquela expressão: “uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”? No louvor acontece da mesma forma.

Uma mentira, uma heresia, um mal entendimento bíblico, repetido várias vezes em nossa mente, por meio dos louvores que cantamos e/ou ouvimos, pode se tornar em algo inquestionável para nós.

Algo quase canônico que, quando confrontados quanto a esse entendimento, temos dificuldade de entender que ele é um entendimento equivocado perante as escrituras, pois ele já está entranhado em nossa mente de tal forma que parece ser uma verdade absoluta. Dito isto, devemos zelar pelo louvor que é cantado em nossas igrejas, pois muitas vezes ele ensina muito mais do que as pregações de nossos pastores.

Temos que utilizar esse atributo pedagógico do louvor para exaltar e engrandecer o ensino ortodoxo das escrituras, fazendo ribombar por toda parte as verdades celestes, não as mentiras do diabo entranhadas e camufladas.

– O louvor que agrada a Deus deve estar em conformidade com as escrituras:

Cantar para Deus é diferente de cantar para o mundo. No mundo, as pessoas são livres para compor o que bem entenderem, falar sobre vários assuntos, porém, sem base alguma para isso. Mas nós, cristãos, temos o dever de preservar o louvor em conformidade com as escrituras. Não podemos contrariar em nenhum ponto a Bíblia, que é a Palavra de Deus.

Louvar a Deus cantando algo que seja contrário e/ou não esteja em conformidade com um único versículo das escrituras é algo perigoso, pois como queremos agradar a Deus se contrariamos aquilo que Ele nos deixou como Palavra? Como agradar ao Soberano fazendo e falando algo que é contrário a Sua Palavra?

É a mesma coisa quando alguém quer me homenagear com algo que contrarie meus gostos pessoais. Por exemplo, eu sou palmeirense. Se alguém compõe uma música que diga: “O Vinícius é o maior corintiano do Brasil”, é um elogio até certo ponto, pois fere um princípio que eu preestabeleci: o princípio de que sou palmeirense e o Corinthians é um time rival ao meu. Semelhantemente essa é a sensação de Deus, quando alguém canta um louvor a Ele, que contrarie o que ele preestabeleceu, Sua Palavra.

Conclusão

Após a sucinta exposição sobre o louvor que agrada a Deus, convido aos irmãos a refletir e buscar orientação nas escrituras para cantar os louvores em suas igrejas, suas casas e em qualquer outro lugar, a fim de não desagradar a Deus, tendo a sensação de estar agradando-o.

Nos próximos dias postarei novas análises de letras, e convido aos irmãos a refletirem sobre meus apontamentos, tendo esse texto supracitado como parâmetro para entender aquilo que estou tentando transmitir.



Vinícius Corrêa

Vinícius Corrêa

Membro da Igreja Presbiteriana Independente de Pindamonhangaba-SP. E diretor do Curso de Teologia Fé Reformada.


Deixe seu comentário!