MENU

Sodoma e Gomorra, nós e a degradação moral

Em 1964 o famoso evangelista Billy Graham estava concluindo o manuscrito de mais um livro intitulado “O Mundo em Chamas”,...


Em 1964 o famoso evangelista Billy Graham estava concluindo o manuscrito de mais um livro intitulado “O Mundo em Chamas”, publicado um ano depois. No livro o reverendo aponta a crescente onda de descrença em Deus e a desvalorização moral. Na época Ruth Graham, esposa de Billy fazia a revisão do manuscrito quando comentou: “Se Deus não castigar os Estados Unidos, Ele terá de pedir perdão para Sodoma e Gomorra”.

O comentário de Ruth parecia forte demais, porém bastava uma análise da passagem bíblica que descreve a destruição de Sodoma e Gomorra que concluiríamos que ela nunca esteve tão certa.

Posteriormente Billy Graham afirmou que sua esposa provavelmente estivesse pensando na passagem de Ezequiel 16:49–50 onde Deus diz que destruiu essas cidades: “Ora, este foi o pecado de sua irmã Sodoma: Ela e suas filhas eram arrogantes, tinham fartura de comida e viviam despreocupadas; não ajudavam os pobres e os necessitados. Eram altivas e cometeram práticas repugnantes diante de mim. Por isso eu me desfiz delas”.

Depois de anos Graham fez o seguinte comentário sobre a degradação moral no mundo: “Fico tentando imaginar o que Ruth pensaria dos Estados Unidos se ela estivesse viva hoje. Nos anos desde que ela fez aquele comentário, milhões de bebês foram legalmente abortados e os EUA, em grande parte, não parecem estar nem aí. Os americanos só pensam nos seus próprios prazeres, são arrogantes e não sentem nenhuma vergonha do pecado. Esses pecados são agora emblemas do estilo de vida americano. A sociedade americana está se esforçando para evitar qualquer possibilidade de ofender alguém. Só não se importa de ofender a Deus.”.

Hoje estamos vendo cumprir-se cada uma das palavras dos grandes profetas e esta geração literalmente mergulhou na prática do pecado e no disperso ao Criador. Em 2 Timóteo 3 do versículo 1 ao 4 Paulo descreve: “Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus…”.

Sobre nossos dias Jesus descreveu com maior severidade que Ruth Graham poderia ter descrito: “Em verdade vos digo que, no dia do juízo, haverá menos rigor para o país de Sodoma e Gomorra do que para aquela cidade.” (Mateus 10.15).

Jesus também descreveu o castigo para os nossos dias assim como houve em Sodoma e Gomorra: “Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos. Assim será no dia em que o Filho do homem se há de manifestar.” (Lucas 17.29-30).

Hoje estamos piores do que Sodoma e Gomorra poderiam ser. Atingimos o patamar de pecado que as cidades da bíblia jamais imaginariam em atingir. Ainda assim cremos que ao anunciar estas verdades poderemos modificar este quadro.

O fato é que o Brasil tornou-se como Sodoma e Gomorra e soma a cada dia mais e mais argumentos para o descredito em Deus e a desvalorização dos preceitos da família e dos bons costumes.

Listo a seguir as semelhanças que temos em relação a Sodoma e Gomorra:

  1. Degradação Moral: Os homens da cidade (jovens e velhos) se reuniram a porta da casa de Ló para realizarem orgias (Gênesis 19.4 e 5).
  2. Impiedade: Apesar de Ló suplicar para eles não fazerem mal a ninguém os homens não se compadeceram (Gênesis 19.7 – 9).
  3. Comportamento violento e ditadura de opinião: Os homens ignoram a Ló e com ódio usam das seguintes justificativas para não ouvir o que ele dizia: “Como estrangeiro este indivíduo veio aqui habitar, e quereria ser juiz em tudo? Agora te faremos mais mal a ti do que a eles.” (Gênesis 19.9).
  4. Homossexualidade: Ló oferece as duas filhas virgens que tinha para que os homens não atacassem os seres celestes que visitavam a cidade (Gênesis 19.8).
  5. Insubordinação: Ló havia reconhecido os homens que ali estavam como autoridades, por isso os convidou para entrar em sua casa, ainda assim os habitantes da cidade ignoraram estas autoridades.
  6. Arrogância: Ezequiel 16.49 descreve a arrogância dos moradores da cidade que desprezavam Deus porque acreditavam que tinham tudo o que precisavam.
  7. Preguiçosos: Duas frases de Ezequiel descrevem o povo daquele lugar como preguiçosos. Ezequiel diz que eles “tinham fartura de comida” e “viviam despreocupados”.
  8. Não ajudam aos pobres nem aos necessitados: Ezequiel diz que o povo daquele lugar não ajudava aos pobres e aos necessitados.
  9. O orgulho também foi um motivo para Deus destruir a cidade. Em Ezequiel Deus diz que o povo era altivo.
  10. Práticas repugnantes: Deus diz que eles cometeram práticas repugnantes e por isso foram destruídos.

“Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos” (Lucas 17.28-29).

Ora, a única segurança para o descrente e para aqueles que agem da maneira enumerada acima é o fato de a igreja ainda estar sobre a Terra. No dia em que a igreja for levada a ira de Deus será derramada sobre todos aqueles que praticam tais atos. Mas ainda há uma esperança, ainda existe uma chance de fugir desta irá implacável: é necessário seguir após Jesus e não olhar para trás.

Assim como houve a intercessão de Abraão pedindo a Deus o resgate dos justos, nós precisamos interceder a Deus por esta geração, pedindo que ele tenha misericórdia dos ímpios e pecadores.



Joel Engel

Joel Engel

Joel Engel é escritor, conferencista internacional, presidente do ministério Engel e ministra na área de avivamento há 30 anos no Brasil e Exterior.


Deixe seu comentário!