A viúva pobre e a sunamita rica

Referência 2 Reis 4.1-17


A viúva pobre e a sunamita rica

A paz de Cristo. Vamos discorrer um pouco sobre duas mulheres que estão na Bíblia Sagrada. Duas mulheres sem nome, anônimas. Duas mulheres, uma pobre, outra rica, mas ambas com necessidades de um milagre.

A Viúva Pobre estava correndo o risco de ter os seus dois filhos levados como escravos para pagar uma dívida deixada pelo seu marido.

A Sunamita Rica não tinha problema com dinheiro, pois era rica, mas tinha um problema fisiológico, não engravidava, e mais, seu marido era de idade avançada, o que praticamente tornava a sua gravidez impossível.


  Professor Cria Curso Online p/ Bacharel Livre em Teologia com VÍDEO AULAS


Ambas mulheres tinham necessidades que sob a ótica humana já não havia mais solução.

Mas quando algo se torna impossível ao homem, o Deus do impossível entra em ação.

Essas duas mulheres foram assistidas por Deus através de um profeta chamado Eliseu, mas precisamos entender quais foram as suas atitudes diante do Profeta para que recebessem o seu milagre. Se você deseja receber um milagre da parte de Deus, anote as atitudes dessas mulheres:

1) Tanto a Viúva Pobre quanto a Sunamita Rica procuraram o profeta Eliseu, homem de Deus.

A viúva foi falar com Eliseu sobre o seu problema. A sunamita o convidou para uma refeição e a partir desse convite, consultou o marido, construiu um quarto para o profeta para que sempre que ele fosse a Suném, ficasse hospedado em sua casa.

Apesar das motivações serem diferentes, ambas tomaram a iniciativa de procurar o profeta de Deus. (vv 1 e 8)

Quando você tem problemas, com quem você abre o seu coração? A quem você procura?

Você procura uma mulher de Deus, uma profetiza do Senhor ou você sai abrindo o coração com qualquer pessoa?

Seja para resolver um problema ou para oferecer uma refeição, ambas tomaram a iniciativa de falar e honrar a Deus por meio do seu profeta.

Essas mulheres procuraram o homem de Deus. Isso significa que elas queriam Deus em suas vidas. 

2) Tanto a Viúva Pobre quanto a Sunamita Rica tiveram suas necessidades supridas por Deus através do profeta.

Quando honramos a Deus. Quando procuramos uma pessoa de Deus para nos dar uma direção, Deus usa essa pessoa para falar conosco e dar direção.

Para a viúva pobre, Eliseu perguntou: O que posso fazer por você? Diga! (v.2)

Para a Sunamita Rica, Eliseu mandou seu servo Geazi perguntar: – Pergunte o que eu posso fazer por ela para pagar todo o trabalho que ela tem tido, cuidando de nós. Talvez ela queira que eu vá falar em favor dela com o rei ou com o comandante do exército. (v.13)

Então o profeta de Deus atendeu a Viúva Pobre dando orientações e ela contemplou o milagre do azeite para pagar a dívida. (vv. 5-6)

A Sunamita Rica queria muito ter um filho e teve conforme a anunciação do profeta, homem de Deus.

3) Tanto a Viúva Pobre quanto a Sunamita Rica tiveram suas necessidades supridas infinitamente mais do que pediram ou pensaram.

A Viúva Pobre por meio do azeite que encheu as vasilhas, conseguiu pagar a dívida e ainda sobrou dinheiro para ela continuar vivendo. (v.7)

A Sunamita Rica teve o tão sonhado filho (v.17). Mas anos depois o menino veio a óbito. Mas então o profeta de Deus vai até onde o menino estava, justamente no quarto que ela tinha construído para ele, e então ele é usado para ressuscitar o menino. (v.21)

No caso da Viúva Pobre, ela queria apenas pagar a dívida.

No caso da Sunamita Rica, ela já tinha ganho o filho. O profeta não tinha mais nenhum outro compromisso concernente ao filho com ela.

Mas em ambos os casos Deus faz além do que elas imaginavam e às abençoou poderosamente.

Deus não faz nada pela metade. A bênção de Deus é completa.

Confie em Deus, ainda que tudo diga o contrário, quando Deus entra em cena, a tempestade tem que se acalmar.

Seja qual for a sua necessidade no dia de hoje, se você recorrer a Deus, Ele pode te atender e mudar a sua história!



Anderson Vieira

Anderson Vieira

Pastor, Escritor, Conferencista, Bacharel em Teologia, Bacharel em Comunicação Social, Professor de Seminário Teológico e Capelão Internacional. Casado e pai de três filhos.


Deixe seu comentário!