Você se casou com a pessoa errada

As muitas águas não podem apagar este amor, nem os rios afogá-lo; ainda que alguém desse todos os bens de sua casa pelo amor, certamente o desprezariam. (Cânticos 8:7)


Você se casou com a pessoa errada

Um título como este exige uma explicação imediata.

Sim, defendo a ideia de que nenhum casamento é feito na ambiência romancista, que é tão embrionária na história da civilização humana. Não acredito, de forma alguma, que o casamento é uma idealização romântica, a despeito de crer na presença dos afetos nas relações maritais.



Não quero lhe frustrar na sua busca ao sagrado matrimônio. Quero apenas lhe dar uma dose necessária de realidade. É importante saber que ninguém se casa conhecendo o outro da maneira que deveria, mas é isso que torna o projeto divino desafiador.

Você nunca se casa com a pessoa certa, porque as pessoas mudam.

No casamento, existe dias de alegria e celebração, e também dias de sofrimento e dor. Você não sabia disso? Deixa eu lhe dizer mais coisas sobre.



Nos casamos não para realizarmos as nossas satisfações pessoais, mas para demonstramos numa profundíssima relação humana a beleza e o poder do evangelho. No evangelho, somos redescobertos de tal forma que nos constrangemos.

Deus revela o nosso pecado, bem como a nossa culpa, mas liberta-nos pela obra de Cristo. Ele nos humilha em nos provar que somos moralmente incapazes de obedecê-lo, mas nos dá a maior glória da existência que é viver o restante da vida sustentado pela graça do Senhor Jesus.



O evangelho e o casamento se fundem de tal forma que somos desafiados a demonstrar o amor proveniente do divino sobre um pecador ou uma pecadora que está bem aqui, bem perto. Ele(a) peca contra nós e até nos provoca a ira, mas nós o(a) amamos.

Somos chamados para um amor tão profundo no casamento que tal vocação só pode vir do alto. Mas se não entendemos que o nosso cônjuge é um pecador como nós e que depende dos méritos de Jesus para viver tanto quanto nós mesmos, então comprometemos todo o nosso futuro no casamento, pois não conseguiremos ser misericordiosos como Jesus é para conosco todos os dias.

Esta pessoa com quem você se casou ou com quem vai se casar não pode ser perfeita. O seu casamento não pode ser perfeito. Vocês precisam de um mediador “uns aos outros”, e ele é. Louvamos a Cristo porque ele se tornou o nosso mediador entre Deus e nós, mas também se tornou o nosso mediador entre nós e nós. Ele desfez a inimizade do homem com Deus, mas também desfez a inimizade entre o homem e a mulher.

Mas esta sociedade sem o evangelho desconhece esta verdade.

Sofrer e se tornar adulto é um caminho inevitável de todo ser humano. Existir é sofrer, como diz o meu pastor (Neil Barreto). E se existir é sofrer e nós existimos, precisamos descobrir no casamento, da maneira mais realista possível, como podemos nos aproximar de Jesus e um do outro por meio de cada dificuldade que apareça no caminho.

Certamente não é uma tarefa simples, mas é compensatória. À medida que sofremos, crescemos; e à medida que crescemos, nos tornamos mais maduros, simples e fiéis.

Você sempre se casa com a pessoa errada; no entanto, ambos podem se tornar “certos” um ao outro no processo do sofrimento, da renúncia, do sacrifício e do amor crístico demonstrado em cada detalhe da vida.



Maycson Rodrigues

Maycson Rodrigues

30 anos, é casado com Ana Talita, estudante de Teologia Reformada e estuda Filosofia na UFRJ. É compositor, escritor e músico e trabalha no ministério paraeclesiástico e missionário chamado Entre Jovens. Recentemente publicou um livro intitulado “Aos maridos: princípios do casamento para quem deseja ouvir”.


Deixe seu comentário!