Você tem santificado o nome de Jesus?

Que possamos ser sal e luz neste mundo podre e trevoso, como disse Jesus Cristo.


Você tem santificado o nome de Jesus?

Durante o sermão do Monte, Jesus resolveu ensinar aos seus discípulos princípios para uma oração eficaz. No bojo desse ensino, o Mestre disse: “santificado seja o teu nome” (Mt 6.9). Mas, neste sentido, o que significa “santificar o nome de Deus”? É o que tentaremos explicar.

Em 1 Pedro 2.9, está escrito assim: “Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”. Observemos a expressão “povo adquirido”. Ser adquirido significa, nas palavras de Pedro, que os cristãos não são mais deles próprios. Vejamos o versículo seguinte: “vós que, em outro tempo, não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus” (1 Pe 2.10).



Corroborando Pedro, Paulo diz somos templo do Espírito e que não somos de nós mesmos (1 Co 6.19). O apóstolo dos gentios vai além, ao dizer aos coríntios que eles foram comprados por alto preço; e que, por isso, deveriam glorificar a Deus através de seus corpos e de seus espíritos, os quais pertenciam ao Senhor (1 Co 6.20). Esse entendimento é o primeiro passo para entendermos o que seja santificar o nome de Deus.

O segundo passo para compreendermos o que Jesus quis dizer quando disse “santificado seja o teu nome” é que o nome de Deus está sobre os cristãos. Essa verdade pode ser vista por meio das palavras de Tiago, quando da assembleia acerca do rito mosaico em Atos 15:

Simão relatou como, primeiramente, Deus visitou os gentios, para tomar deles um povo para o seu nome. E com isto concordam as palavras dos profetas, como está escrito: Depois disto, voltarei e reedificarei o tabernáculo de Davi, qua está caído; levantá-lo-ei das suas ruínas e tornarei a edificá-lo. Para que o resto dos homens busque ao Senhor, e também sobre os gentios sobre os quais o meu nome é invocado, diz o Senhor, que faz todas essas coisas que são conhecidas desde toda a eternidade (v. 14-18).



O próprio Pedro, no versículo 7 dessa passagem, disse: “Varões irmãos, bem sabeis que já há muito tempo Deus me elegeu dentre vós, para que os gentios ouvissem da minha boca a palavra do evangelho e cressem”. Gentio é toda pessoa que não é israelita. Portanto, se nós somos gentios e cristãos, o nome de Deus está sobre nós.

O terceiro entendimento que devemos ter acerca da santificação do nome de Deus é que esta também está fundamentada no testemunho eficaz. Por exemplo, se eu digo que sou de Cristo, mas não ando como ele andou (1 Jo 2.6), demonstrarei que não entendi esse conceito ou que não quero glorificar o nome dele por algum motivo. Isso quer dizer que não basta apenas eu orar santificando o nome de Jesus. Preciso viver Jesus para santificá-lo verdadeiramente: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2.20).



Amados leitores, que possamos ser sal e luz neste mundo podre e trevoso, como disse Aquele que devemos santificar, Jesus Cristo:

Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas, no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus (Mt 5.13-16).



João Paulo Souza

João Paulo Souza

32 anos, casado com Marcela Souza, assembleiano, pedagogo e pós-graduado em Coordenação Pedagógica.


Deixe seu comentário!