MENU

Como fazer a vontade de Deus (1° parte)

Quando eu era mais jovem me perguntava: com quem devo namorar? Ou seria melhor só ficar? Que curso escolher? Ou seria melhor nem estudar? Onde devo ir morar quando adulto ficar? Ou seria melhor com a mamãe continuar? Conforme fui me tornando mais velho os questionamentos mudaram, mas não deixei de realizar perguntas, pois enquanto […]


Quando eu era mais jovem me perguntava: com quem devo namorar? Ou seria melhor só ficar? Que curso escolher? Ou seria melhor nem estudar? Onde devo ir morar quando adulto ficar? Ou seria melhor com a mamãe continuar?

Conforme fui me tornando mais velho os questionamentos mudaram, mas não deixei de realizar perguntas, pois enquanto tivermos vida aqui nesse mundo teremos que realizar escolhas.

A questão é que nós sabemos que a vida neste mundo é uma espécie de estrada com duas mãos. Uma delas nos leva ao destino certo e a outra a perdição. Ou seja, se não escolhermos certo, corremos o risco de sofrermos as consequências negativas de nossas escolhas.

Antes de tomarmos qualquer decisão, temos que analisar bem as opções que nos são apresentadas. Para uns a solução estará em livros de autoajuda. Outros buscarão as videntes que dizem ter o futuro de antemão. E os cristãos buscam na Bíblia a direção, pois sabem que a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável ao homem.

Em Romanos 12.1 Paulo nos mostra como fazer a vontade de Deus por meio de quatro simples atitudes.

Fazemos a vontade de Deus por meio do nosso serviço

O culto que Paulo trata aqui é o da palavra grega “latreia” que significa “serviço”. Mas Paulo não está tratando do ativismo vivido pelas igrejas contemporâneas. Igrejas ocupadas com tantas atividades e eventos eclesiásticos que não sabem mais o que é cultuar a Deus.

Quando eu era um adolescente, por exemplo, passava quase 10 horas por semana envolvido em atividades das mais diversas na igreja que iam desde celebrar os cultos matinais e noturnos do domingo, frequentar algumas reuniões de oração na quarta, ensaios do coral na sexta, escola bíblica e união de adolescentes no domingo.

Todo esse “serviço” não é algo ruim, mas esse ativismo eclesiástico tem destorcido o real significado da palavra usada por Paulo neste texto. Ele estava tratando dos atos específicos de louvor dirigidos a Deus.

Por não cultuarmos a Deus só aos domingos ou no templo, Deus requer  de nós mais do que o nosso ativismo dominical. Ele quer as nossas 24 horas e sete dias na semana em completa adoração.

Jesus deixou isso de forma clara para a mulher samaritana ao dizer que à hora, local ou estilo não era o que importava. O que realmente importa é o motivo que nos leva a adorá-Lo. Ou seja, não é o onde ou como, mas a razão pela qual cultuamos.

Fazemos a vontade de Deus por meio do culto autentico

Por conta disso Paulo diz que devemos servir a Deus de forma racional, em outras palavras, autêntica. O serviço deve ser feito de forma racional, um culto em reconhecimento de quem é Deus verdadeiramente. Querer cultuar a Deus sem conhecê-Lo e reconhecê-Lo é pura insensatez e ilógico.

Cultos onde as pessoas passam a maior parte do tempo em êxtase ou em transe, não é culto a Deus. Pastores que pregam em línguas estranhas não estão cultuando a Deus. Tudo em um culto tem que ser claro.

Precisamos cultuar a Deus de forma autentica como foi no passado. Em um sermão de Jonathan Edwards, “Pecadores nas mãos de um Deus irado”, conforme era explicado quem é Deus as pessoas ali presentes viram de forma tão clara o juízo de Deus e a ira de Deus contra o pecado, que entraram em profunda angústia de alma. Esta compreensão foi tão clara, que era como se eles estivessem vendo diante de seus olhos o próprio inferno aberto, pronto para tragar as almas dos ímpios.

O cristão, diz Edwards, “não apenas crê racionalmente que Deus é glorioso, mas tem em seu coração o senso da majestade de Deus”. Ou seja, em um verdadeiro avivamento todos conhecem a Cristo de forma racional e logo muitos são despertados de forma espiritual.

Fazemos a vontade de Deus por meio de sacrifícios vivos

Quando lemos os textos do Antigo Testamento observamos os mais diversos tipos de sacrifícios. Deus exigia estes sacrifícios para que as pessoas pudessem receber o perdão de seus pecados. O sacrifício de cordeiros fez um papel muito importante na vida religiosa dos judeus e no seu sistema de sacrifícios.

Por que, então, não oferecemos mais sacrifícios de animais nos dias de hoje? O sacrifício de animais terminou com a morte de Jesus Cristo. João Batista se referiu a Jesus como o “Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo” em João 1.29, um sacrifício perfeito e definitivo pelo pecado.

Mas se o sacrifício já foi realizado por Jesus Cristo, porque Paulo diz aos crentes em Roma para oferecerem seus próprios corpos em sacrifício a Deus? O sacrifício pode ser definido como qualquer coisa consagrada e oferecida a Deus, e não necessariamente a morte de um ser.

Nos sacrificamos quando nos consagramos e entregamos os nossos desejos, sonhos e planos a Deus. O sacrifício vivo é melhor entendido quando o comparamos com um casamento, por exemplo. Quem é casado sabe que sem sacrifício e renúncia um casal não consegue permanecer junto por muito tempo. O casamento bem sucedido é aquele onde os cônjuges dedicam a vida a agradar o outro, sem egoísmo.

Este mesmo egoísmo não pode destruir o nosso relacionamento com Deus. Devemos entregar as nossas vidas de forma incondicional sem jamais pensarmos e nos divorciar de Deus.

Fazemos a vontade de Deus por meio de sacrifícios santos

Deus já nos mostrou por meio da Bíblia todos os seus planos ao homem, mas a nossa natureza ainda não nos deixa entender as coisas divinas. Por isso Paulo nos diz para sermos santos, pois a santificação nos aproxima do Espírito Santo de Deus que é aquele que nos auxilia a compreender a Palavra de Deus. Mas como nos santificamos?

Primeiro, medite e obedecer à palavra de Deus.

“Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e luz para o meu caminho” (Salmos 119.105)

Moises ensinou a Josué a meditar e obedecer à palavra de Deus, com isso foi conduzido por Deus e não por si próprio. A sua fidelidade a palavra de Deus foi o motivo do sucesso das grandes vitórias da nação israelitas. O segredo destas conquistas foi em seguir os planos de Deus.

Segundo, tenha uma vida de oração

“Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça a Deus, que a todos dá livremente, de boa vontade; e lhe será concedida.” (Tiago 1.5-6)

Eu tinha sempre o habito de orar só em momentos difíceis ou quando precisava muito de uma resposta. Mas na verdade precisamos orar muito quando tudo esta bem para entendermos com antecedência as vontades de Deus. Martinho Lutero dizia que quanto mais atividades ele tinha a realizar durante o dia, mais tempo ele se dedicava em oração para não tomar decisões erradas.

Terceiro, esculte conselhos de cristãos maduros

“O caminho do insensato aos seus próprios olhos parece reto, mas o sábio dá ouvidos aos conselhos.” (Provérbios 12. 15)

Quais são as suas influencias? O que ou quem tem te influenciado a sua vida? O salmista afirma que feliz é aquele que não segue o conselho dos ímpios, não imita a conduta dos pecadores e nem se assenta com os zombadores. Ao contrário sua satisfação está na lei do Senhor.

Conclusão

Às vezes agimos como animais selvagens, pensando que temos o direito e autoridade sobre as nossas vidas para fazer o que bem entendermos sem nos deixar ser dominados por Deus. Mas quando nos metemos em apuros pedimos por ajuda. O problema é que as vezes pode ser tarde demais.

Porém saiba que se pedirmos por direção a Deus ele nos guiará pela boa, perfeita e agradável vontade de nosso Senhor e salvador Jesus Cristo. Boa, pois Deus é bom e tudo que escolhemos que não vem de Deus e mal. Perfeita, pois Deus é perfeito e fazer escolhas fora dos planos de Deus e imperfeito. Agradável, pois tudo que escolhemos segundo a direção de Deus é certo.

 

 



Alessandro Miranda Brito, casado, 33 anos de idade, bacharel em Teologia, plantador de igrejas da Co-Mission Church Planting Network.


Deixe seu comentário!


Mais notícias